Secretaria de Cultura de Niterói / Fundação de Artes de Niterói
  RESTAURO: TELHAS DE BEIRAL
 
 
Agenda
Cultura
Niterói

Baixe aqui nossa programação mensal completa
Cultura Niteri

O beiral do telhado do prédio principal é formado por telhões de louça portuguesa. As telhas canais apresentam decoração com relevo e pintura nas cores azul cobalto e branco. Algumas peças são originárias da fábrica de Santo Antônio, no Porto, Portugal, conforme inscrição encontrada. As telhas decoradas somavam um total de 420 unidades, com dimensões médias de 92 cm de comprimento por 17 cm de largura. Possuem basicamente três padrões decorativos: pássaro, em maioria; folhagem; floral, em fundo azul e fundo branco. As que constituem as quinas do telhado distinguem-se pelos formatos em ângulo reto e semicircular.



Os principais problemas observados no beiral foram peças faltantes ou quebradas e o descolamento pontual da camada vítrea de algumas telhas, causados, provavelmente, pela exposição ao tempo e a chuvas ácidas. O desnivelamento verificado favorecia o retorno das águas pluviais para o interior do telhado, provocando a desagregação das cimalhas que lhes servem de apoio, bem como a deterioração das alvenarias superiores. As capas das telhas de beiral são em tipo único, de cor branca, vitrificadas, medindo cerca de 64 cm de comprimento por 10 cm de largura, e somavam um total aproximado de 406 unidades. Foram encontradas em estado de conservação regular, com presença de fungos e musgos sobre as camadas vítreas, além de afloramento de vegetação em alguns trechos.

Intervenção:


Todas as telhas de beiral foram removidas, sob a supervisão da equipe de restauradores, e catalogadas de acordo com sua tipologia (forma e decoração) e estado de conservação. O processo de restauração propriamente dito teve início com a limpeza: as telhas foram lavadas com água deionizada, utilizando-se detergente neutro nas áreas com manchas ou sujidades mais impregnadas; o cimento agregado, proveniente do assentamento anterior, foi retirado através de ação mecânica, com o cuidado necessário para a preservação integral da camada vítrea. Em seguida, executou-se a colagem: as telhas que se apresentavam quebradas foram unidas com a utilização de resina epóxi para a obtenção de boa ancoragem e estabilidade. Na etapa de consolidação, a telhas que exibiam estufamento e descolamento da camada vítrea foram fixadas com paraloid.

A compensação e a reintegração das partes faltantes do vidrado foram realizadas através da técnica de afresco. Esta técnica, quando utilizada na recomposição dos tapetes de azulejos da fachada do solar, logrou completo êxito, demonstrando, até a atualidade, boa resistência à luz, excelente estabilidade e ótimo resultado estético. Contudo, o mesmo método, aplicado inicialmente às intervenções nas telhas de beiral, não apresentou a mesma eficiência observada nos azulejos: verificou-se que a camada de afresco descolava do tardoz, revelando ataque de umidade e de eflorescência salina. Diante desse resultado insatisfatório, outro tipo de intervenção foi realizado nas telhas de beiral, com base em materiais sintéticos, empregando-se verniz epóxi aplicado sobre o tardoz aparente; a compensação do vidrado faltante foi efetuada também com verniz epóxi cerâmico e, na reintegração cromática, foram utilizados poliuretano e pigmento. As telhas canais receberam, em seu verso, tratamento de impregnação com base em um composto de cera e silicone, melhorando significativamente sua impermeabilização. Após a remontagem do telhado, as telhas de beiral foram criteriosamente repostas em seus locais de origem, assentadas com argamassa com base em cal e areia, e as peças faltantes foram substituídas por novas de mesma tipologia, confeccionadas pela Cerâmica Luís Salvador, em Itaipava (RJ), marcadas e datadas para identificação de época e autoria de fabricação.



Materiais utilizados
  • Primeira etapa

  • I Limpeza Lavagem com água deionizada e detergente neutro (Detertec 7); Álcool absoluto; Limpeza pontual por ação mecânica

  • II Consolidação da camada vítrea Paraloid B 72 (Acriloyd) + acetona P.A. (0,05 : 1).

  • III Colagem de peças quebradas Adesivo Epóxi para cerâmica: endurecedor FD 134 + resina MC 143 (1 : 1)

  • IV Reintegração cromática Sílica-Quartzo malha 325 (MD 0802) + cal hidratada em pó seco (2 ou 3 : 1)

  • V Revestimento da reintegração/Proteção Silicone Acquela.

  • Segunda etapa

  • I Reintegração Verniz Epóxi — intergard verniz (Internacional 065/0001); Massa Epóxi poliamida — intergard massa 065/0100; Acabamento poliuretano alifático (tinta) interthane 493-Internacional.

  • II Impermeabilização Composto de cera e silicone: cera microcristalina + cera de carnaúba + cera de abelha + silicone + água-raz (3 : 1 : 1 : 2 : ½)



Restauro do Solar do Jambeiro |   | Introdução e Equipe  | Azulejaria  | Telhas de Beiral  | Pisos  | Esquadrias  | Serralheria Artística  | Cobertura  | Cantarias  | Alvenaria  | Forros de Estuque  | Jardins  | Estufa  | Interiores









aaaaaa

Mapa do Site

Cultura Niterói
 
Espaços Culturais
 
Programas
 
Outros
 
 
 
Portal Transparência
Contracheque Online
e-SIC
Comprovante de Rendimento
Consulta de Processos
 
Rua Pres. Pedreira, 98, Ingá - 24210-470, Niterói - RJ | Tel: (21) 2719-9900 | E-mail niteroi.culturas@gmail.com