Secretaria de Cultura de Niterói / Fundação de Artes de Niterói
  "UMA COLEÇÃO A CAMINHO DE NITERÓI", POR MARCIA MULLER
 
 
Agenda
Cultura
Niterói

Baixe aqui nossa programação mensal completa
Cultura Niteri

Em 1994, quando eu trabalhava no Museu Antonio Parreiras com Dora Silveira, Ítalo Campofiorito comentou que a Coleção João Sattamini estava vindo para Niterói. Logo depois, fui uma das museólogas indicadas para receber a coleção no Museu do Ingá.

Um dos fatos que vale a pena lembrar, após dez anos, foi o impacto que nos causou receber a coleção. Cada obra que desembalávamos para catalogação era uma surpresa. Comentávamos que era como se estivéssemos recebendo presentes. A maior parte das obras veio do Parque Lage e do Paço Imperial. Mais tarde, um outro conjunto veio de um apartamento de Sattamini em Copacabana.

Quando visitei as exposições A Caminho de Niterói I e II, em 1992 e 1993, no Paço, não poderia imaginar que um dia viria a trabalhar com essa coleção. Sabia de sua importância, mas não tinha idéia da dimensão. Foi então que reconheci a diferença entre apreciar a coleção como uma grande exposição de valor histórico e ter experiência direta com essas obras, que reúnem alguns dos principais ícones da arte contemporânea brasileira.

Algumas obras eu já conhecia por causa das duas exposições no Paço, mas agora era diferente, pois eu as tinha em minhas mãos. Até então eu vinha trabalhando apenas com coleções do século XIX. De repente me vi diante da produção artística contemporânea: “Repressão outra vez: Eis o saldo”, de Antonio Manuel; as flores de borracha, obra sem título de Hilton Berredo; a Cornucópia, de Aluísio Carvão; o painel de azulejos brancos com a lâmpada, de Ivens Machado; o mármore branco de Sérgio Camargo.

Os números também fazem diferença: são 26 obras de Aluísio Carvão, 37 de Maria Pólo, 39 de Paulo Roberto Leal, 23 de Antonio Dias, catorze de Mira Schendel, 35 de Roberto Magalhães, dezessete de Lygia Clark, vinte de Rubens Gerchman, dez de Eduardo Sued, dez de Daniel Senise, entre outros tão importantes quanto.

Ao longo desses dez anos foram construídos vínculos profissionais com a guarda das obras, que passaram a ser laços afetivos com a vida da coleção. O que inclui a luta constante para conquistar melhores formas de acondicionamento e preservação. Ao mesmo tempo, se reconhece que uma coleção, principalmente de arte contemporânea brasileira, está sempre crescendo e precisa realmente crescer para acompanhar as inquestionáveis mudanças da produção artística atual. Precisamos aproveitar também este livro para celebrar um passo importante na trajetória da Coleção João Sattamini em Niterói. Inauguramos, em setembro de 2005, com o apoio inestimável da Fundação Vitae, as novas instalações da reserva técnica no subsolo do MAC. Além disso, reconhecemos a importância dos novos espaços de acomodação da Coleção em processo de ampliação pela Prefeitura.

A melhor maneira de concluir este depoimento é agradecer a oportunidade de trabalhar com a Coleção João Sattamini e, ainda, de estar envolvida na formação da Coleção MAC Niterói.

Marcia Muller (2006)
Diretora de Acervo




A Coleção João Sattamini e o acervo do Museu
"A Coleção João Sattamini e o acervo do Museu", por Luiz Camillo Osório
A Visão do Colecionador
"A Visão do Colecionador", por João Leão Sattamini Neto
A
"A Dinâmica de uma Coleção", por Claudia Saldanha








Tags Marcia Muller,




Inscrições abertas para o II Prêmio Rio de Contos
Papo à Live convida Zé Maria e Lula Espiríto Santo
O Inconsciente e o Sonho em debate nas redes do Solar do Jambeiro
Evinha comemora 52 anos de carreira no Municipal de Niterói
A banda 'Mais do Mesmo' homenageia Renato Russo no Municipal


aaaaaa

Mapa do Site

Cultura Niterói
 
Espaços Culturais
 
Programas
 
Outros
 
 
 
Portal Transparência
Contracheque Online
e-SIC
Comprovante de Rendimento
Consulta de Processos
 
Rua Pres. Pedreira, 98, Ingá - 24210-470, Niterói - RJ | Tel: (21) 2719-9900 | E-mail niteroi.culturas@gmail.com