Secretaria de Cultura de Niterói / Fundação de Artes de Niterói
  LEOPOLDO FRÓES (1882-1932)
 
 
Agenda
Cultura
Niterói

Baixe aqui nossa programação mensal completa
Cultura Niteri

Ator, compositor, letrista e cantor brasileiro, nasceu em Niterói no dia 30 de setembro de 1882.

Seu pai, o advogado e professor de Direito Comercial Luis Carlos Fróes da Cruz, que também militou na política fluminense, não apoiava sua tendência à carreira artística, e, portanto, levou Leopoldo a se formar em Direito (1901) e em seguida lhe arrumou um cargo diplomático na Embaixada Brasileira de Londres. Porém, Leopoldo nunca exerceu plenamente a função e, ao invés disso, foi para Paris, antes de voltar para o Brasil, quando seus recursos financeiros acabaram.

Clique para ampliar
Sem sucesso nas suas primeiras tentativas de seguir a profissão de ator em seu país de origem devido à oposição de sua família, além da pouca valorização que a arte em geral recebia aqui na época, voltou à Europa. Iniciou oficialmente sua carreira no teatro pela Companhia Alves da Silva, com o espetáculo “O Rei Maldito”, realizado no Teatro do Príncipe Real, em Portugal.

Neste período, engajou-se em diversas modalidades da carreira cênica além de ter estabelecido contatos com importantes figuras deste meio, sempre alternando entre atividades no Brasil e na Europa ao longo destes anos. Em 1915, novamente no Brasil, depois de passar por diversas companhias teatrais, funda em parceria com a atriz Lucília Peres, com quem convivia, a Companhia Lucília Peres-Leopoldo Fróes, que estreou no dia 12 de maio com o espetáculo “Mulheres Nervosas”. Montaram mais de vinte peças durante o período relativamente curto de funcionamento da Companhia, mas, devido a rixas pessoais constantes além de divergências criativas e administrativas relativas à empresa, os dois artistas a extinguiram e se separaram no processo.

Teve sua estreia no universo cinematográfico em 1916, com a gravação do filme “Perdida”, do diretor Luís de Barros, exibido no antigo cinema Pathé na Avenida Rio Branco (Rio de Janeiro). Porém, devido a desavenças de Fróes com o diretor, “Perdida” obteve críticas negativas relativas principalmente ao desempenho do ator, inferior quando comparado à sua atuação nos palcos. Tal repercussão negativa levou Fróes a ficar quinze anos sem participar de outra produção cinematográfica.

Durante o período de 1917 a 1927, Fróes deu continuidade e total empenho à carreira teatral nos anos conseguintes, tendo incrível sucesso no eixo Rio-São Paulo. Conquistava mais glória e fortuna a cada espetáculo que realizava, com destaque para a comédia “Flores de Sombra”, de Cláudio de Sousa, que chegou a ser representada mais de cem vezes consecutivas, e a peça “O Simpático Jeremias”, de Gastão Tojeiro. Criou e estrelou dezenas de outras peças consagradas, além de escrever duas peças para o teatro musicado: “Outro amor” e “A mimosa”, sendo esta última sua única atuação como cantor, de onde saiu sua famosa canção de mesmo nome, que gravou em disco Odeon (da Casa Edison), em 1921. Além disso, compôs o lundu Samba fidalgo, o one-step Aime l'amour e o choro Samba choroso (com J. F. Machado), entre muitos outros.

Em 1918, Fróes cria, em conjunto com alguns amigos do meio artístico e jornalistas, a “Casa dos Artistas”, sendo seu principal fundador e posteriormente presidente de honra. A “Casa” foi idealizada com o objetivo de acolher artistas que precisassem de amparo; foi edificada em 1919, depois da doação de um terreno em Jacarepaguá (Rio de Janeiro). Leopoldo Fróes não mediu esforços para ajudar a financiá-la, promovendo eventos e festivais para arrecadação de fundos, além de contribuir ele mesmo com grande parte dos recursos e donativos. A associação chegou a alcançar subvenções dos governos municipal e federal e existe até hoje, no mesmo local, reunindo pouco mais do que trinta moradias voltadas para artistas que não têm outro lugar para ir, contando com o apoio de voluntários e doações para se manter.





Depois de deixar um marco indiscutível no cenário teatral brasileiro da época, sendo o artista que mais impulsionou e contribuiu para a valorização e engrandecimento da arte desde João Caetano, Leopoldo Fróes vai à Paris, em 1930, contratado pela Paramount para gravar o filme “Minha Noite de Núpcias”. Só aceitou fazer parte do filme depois que lhe ofereceram uma pequena fortuna, depois da experiência negativa que havia vivenciado quando em contato com a sétima arte pela primeira vez na produção de “Perdida”.

Como este período foi concomitante ao início do cinema falado, a companhia americana de cinema passou a produzir versões de suas principais obras em vários idiomas. Dirigido por E. W. Emo e tendo o elenco formado pelos artistas portugueses Beatriz Costa, Alvaro Reis, Estevão Amarante, Maria Emilia Rodrigues e Maria Sampaio e pelos artistas brasileiros Leopoldo Fróes, Francisco Azeredo, Maria Janocopulos e Mario Marano, “Minha Noite de Núpcias” seria a versão em português da produção “Her Wedding Night” (1930), estrelada por Clara Bow e Ralph Forbes e dirigida por Frank Tuttle.

A comédia estreou em maio de 1931, em Lisboa, e foi um tremendo sucesso, tendo como principal destaque a atuação muito elogiada de Leopoldo Fróes. Porém, o ator não pôde comemorar plenamente esta conquista, pois caiu doente durante as filmagens da obra, e, alguns meses depois, veio a falecer de pneumonia, em um sanatório suíço no dia 2 de março de 1932.

Niterói, sua cidade natal, presta ao artista duas homenagens. Leopoldo Fróes empresta seu nome a uma importante rua, que liga os bairros de São Francisco a Icaraí. Conhecida como Estrada Fróes, foi até a inauguração do Túnel Roberto Silveira, nos anos 50, a única via de ligação entre os bairros. Em 1973, a prefeitura da cidade, por meio do Instituto Niteroiense de Desenvolvimento Cultural, arrendou o Teatro Alvorada, localizado no Centro da cidade e pertencente à Mitra Arquidiocesana de Niterói, e o rebatizou em sua homenagem.






Tags Leopoldo Fróes ,




Emmanuel de Macedo Soares (1945-2017)
K. Lixto (1877-1957)
Memória: Dois niteroienses entre os Maiores Brasileiros Vivos em 1924
Manoel Benício (1861-1923)
Cláudio Valério Teixeira (1949 - 2021)


aaaaaa

Mapa do Site

Cultura Niterói
 
Espaços Culturais
 
Programas
 
Outros
 
 
 
Portal Transparência
Contracheque Online
e-SIC
Comprovante de Rendimento
Consulta de Processos
 
Rua Pres. Pedreira, 98, Ingá - 24210-470, Niterói - RJ | Tel: (21) 2719-9900 | E-mail niteroi.culturas@gmail.com