Escritora, tradutora, poeta, professora e pianista, Cyana Maria Leahy-Dios nasceu em Salvador (BA), em 24 de novembro de 1950, vindo posteriormente a residir em Niterói (RJ). É licenciada em Letras – Português/Inglês e mestra em Educação pela Universidade Federal Fluminense, doutora em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (USP) e em Educação Literária pela Universidade de Londres.

Como palestrante, foi frequentemente convidada para eventos acadêmicos, congressos e conferências no Brasil e no exterior, além de ter ganhado prêmios literários e de pesquisa no Brasil, nos EEUU e na Inglaterra.

Estreou com o livro de poemas “Biombo”, em 1989, e, em 1993, recebeu o Prêmio Overseas Research Award 1993, do Conselho de Reitores das Universidades do Reino Unido. Organizou a antologia “Todos os Sentidos: contos eróticos de mulheres”, que recebeu o premio de melhor livro de contos de 2003 da União Brasileira de Escritores.

Também em 2003, recebeu da Prefeitura Municipal de Niterói menção honrosa como “escritora que eleva o nome da cidade para além de suas fronteiras”; e a medalha de ouro José Cândido de Carvalho (2008), como “renomada escritora”. Ganhou também o Ireland Literary Exchange Award de 2005, pela publicação de Contos Tradicionais Irlandeses.

Entre 2000 e 2005, Cyana atuou também como voluntária na Fundação São Martinho, em Niterói, criando a biblioteca e dinamizando a leitura entre menores socio-economicamente carentes, de baixa escolaridade, atuação esta que considerou um de seus melhores trabalhos com a Arte da Palavra.

Ao se aposentar, passou a oferecer cursos, palestras e oficinas em várias partes do país, buscando desconstruir estudos da língua, da literatura, das artes e culturas nacionais. Em 2008, trabalhou “O Inusitado Machado”, abordando crônicas, contos, cartas, críticas e poemas machadianos raramente lidos, analisados, estudados.

Dentre suas diversas obras publicadas por várias editoras, são encontradas publicações de poesia, de literatura juvenil, de contos, de pesquisa acadêmica e artigos e capítulos de livros publicados no Brasil e no exterior. Coordenou a CL Edições, que publica obras literárias e acadêmicas, com 16 livros publicados, entre os quais o premiado “Todos os Sentidos: contos eróticos de mulheres”.

Traduziu, dentre outros, “Solstício de Inverno”, de Rosamund Pilcher (Ed. Bertrand), “Sexo e Negócios”, de Shere Hite (Ed. Bertrand), “Queima roupa”, de Annie Proulx (Ed. Bertrand). Verteu para o inglês “Cultura do Papel” (Casa da Palavra), “História dos grandes personagens do cinema brasileiro” (Ed. Fraiha), “Coleção do Artista: Amador Peres” (Ed. Fraiha).

Em sua linha poética, podem ser citados: “Biombo” (Ed. Cromos), “Íntima Paisagem” (Ed. Sette Letras), “Livro das Horas do Meio” (Ed. Sette Letras), “Poemas dos Tempos-Duetos” (c/ Fred Schneiter, CL Edições), “Seminovos em Bom Estado” (CL Edições), “(Re)confesso Poesia” (Ed. 7 Letras).

Crítica
“Cyana Maria Leahy-Dios é o legítimo talento polivalente. Em matéria de textos faz tudo o que se pode imaginar. Cyana Leahy nos dá este Perplexidades e Similitudes, e de novo nos mostra sua maestria no conto, gênero difícil; ao contrário do que muitas pessoas imaginam, a brevidade não facilita, dificulta. É um desafio ao poder de síntese. (...) Suas histórias são um prodígio de síntese. Não há uma palavra sobrando ou fora do lugar. Poucas linhas resumem de forma completa uma situação-limite, aquelas situações em que a condição humana se revela por completo, sem máscaras. Mas, importante, não faltam a estes textos humor, ironia, imaginação. Ou seja: o prazer do texto. (...) Cyana Leahy é uma escritora completa, uma escritora cuja obra Clarice Lispector, por exemplo, aplaudiria”. Moacyr SCLIAR








Publicado em 0000-00-00
Museu Antônio Parreiras