Secretaria de Cultura de Niterói / Fundação de Artes de Niterói
  ESPETÁCULO EM LOUVOR À INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
 
 
Agenda
Cultura
Niterói

Baixe aqui nossa programação mensal completa
Cultura Niteri

    Em 20 de setembro de 1830, o periódico "Voz Fluminense" publicou carta de um leitor que assinava "Brazileiro", na qual narra o espetáculo que havia presenciado na Casa da Sociedade Dramática do Theatrinho, localizada no Vallonguinho, que abrangia a rua da Imperatriz até o Largo da Memória. A Casa da Sociedade fundada pelos amadores Joaquim Antonio Carreira Bacellar, Alexandre Pinto de Carvalho, André de Moura Velho e Victor Porphirio Borjas, localizava-se no exato endereço onde hoje se encontra o Theatro Municipal João Caetano. Trata-se de um registro do nascimento do teatro niteroiense.

Sendo o Dia 7 de Setembro o primeiro dia memorando nos Fastos do Brasil; Dia o mais agradável aos olhos de todos os Brasileiros, verdadeiros amigos de sua pátria e liberdade; nada há mais justo do que cada fração do povo, que compõem a Heroica Nação, manifestar por externos sinais de regozijo, o quanto desejam celebrar tão almo dia, em cada aniversário da nossa feliz Independência.

Na Villa Real da Praia Grande, deu-se uma indubitável prova de patriotismo a Sociedade do Theatrinho, nos esforços que fez, para nesse, nunca assaz plausível dia, louvar à cena uma das melhores peças, ainda ali não representada, e um muito aparatoso Elogio Dramático alusivo ao mesmo objeto. Porém justos motivos a obrigaram a transferir o espetáculo para o dia seguinte, 8 de setembro de 1830.

À hora do costume, reunindo-se a Sociedade e seus convidados naquele recinto, ricamente adornado, depois de uma bem executada sinfonia, deu-se princípio ao Elogio, que depois terminou com a brilhante aparição do Busto de Sua Majestade Imperial. Imediatamente apareceu na cena uma menina de nove anos ricamente vestida com as cores do Pavilhão Nacional, a qual depois de recitar a Quadra abaixo transcrita, lançou sobre o Busto uma chuva de odoríferas flores.

    QUADRA

    "Desculpai, ó Heroe sem par no mundo,
    Da vossa infante subdita a ousadia;
    Pois vem agradecer os bens, que destes
    À recente Nação, neste almo dia."


Findo este ato, o diretor do Theatrinho, postado à frente da plateia, entoou os seguintes "Vivas" que foram recebidas com o maior entusiasmo por todos os espectadores de ambos os sexos, que tinham decorado seus peitos com ramos de café, e folhas da árvore chamada Independência, e aplaudidas em altas vozes, acompanhadas de nuvens de flores, que saíam da tribuna das senhoras, dirigidas ao Imperial Busto.

"Viva S. M. I., Viva a Independência do Brasil, Viva a Nação Brasileira, Viva a Constituição, e indo a dar o último Viva à Augusta Assembleia Legislativa, acudiram mais duas vezes ao mesmo assunto. Findos os Vivas, rompeu a Orquestra o Hino Nacional, que foi entoado por um Sócio, que na cena representava a figura do Brasil, acompanhado em coro pelos espectadores.





Depois do Elogio, seguiu-se a Peça "O Bom Amigo", drama em dois atos do dramaturgo português Antônio Xavier Ferreira de Azevedo, que tendo sido por muitos inconvenientes, mal ensaiada, tal foi o entusiasmo dos Sócios representantes, que deixaram a Sociedade cheia de satisfação.

No fim do primeiro ato, foram lançadas da tribuna para a plateia diversas obras poéticas impressas das que tinham aparecido na cidade na noite do dia 7 de setembro; e em manuscrito um Elogio feito pelo Sócio M.J.M., que por estar caracterizado para a cena, não o pode repetir da plateia.

Os intervalos da Peça foram preenchidos com árias acompanhadas de piano, e concertos, entre este, e a Orquestra. Há muito para notar-se a decência, a tranquilidade e a satisfação que se conservou durante este espetáculo.

Adaptado de "Voz Fluminense", 20 de setembro de 1830 - Pesquisa realizada por Alexandre Porto.


António Xavier Ferreira de Azevedo (Lisboa, 6 de março de 1784 — Lisboa, 18 de janeiro de 1814) foi um poeta dramático e comediógrafo português. Assinou algumas obras simplesmente como A.X.F.A. ou António Xavier. Foi um prolífico e respeitado poeta dramático, autor de algumas das peças mais apreciadas nos teatros portugueses e brasileiros das primeiras décadas do século XIX. É autor de mais de uma centena de dramas e farsas, entre originais e adaptações de textos francesas e espanhóis, recriados ao gosto do público português. Muitas das suas peças nunca foram publicadas enquanto outras apenas o foram algumas décadas após a sua morte aos 29 anos de idade, por atores e de pessoas ligadas ao teatro.






Tags Sociedade do Theatrinho, Antônio Xavier,




Live de Marcelo Caldi nas redes do Theatro Municipal
"Elas também...só pensam naquilo" entra em cartaz no Theatro Municipal
O Non Stop Group sobe ao palco Theatro Municipal de Niterói
Mona canta Linda no Theatro Municipal
Daniel Scisinio lança EP "Operário da Boemia" no Municipal


aaaaaa

Mapa do Site

Cultura Niterói
 
Espaços Culturais
 
Programas
 
Outros
 
 
 
Portal Transparência
Contracheque Online
e-SIC
Comprovante de Rendimento
Consulta de Processos
 
Rua Pres. Pedreira, 98, Ingá - 24210-470, Niterói - RJ | Tel: (21) 2719-9900 | E-mail niteroi.culturas@gmail.com