Secretaria de Cultura de Niterói / Fundação de Artes de Niterói
  A FALUA DE JOÃO CAETANO E O ESPETÁCULO PARA UM ÚNICO ESPECTADOR
 
 
Agenda
Cultura
Niterói

Baixe aqui nossa programação mensal completa
Cultura Niteri

"Graças aos esforços do Dr. Paulo Alves, prefeito de Nictheroy, acaba de ser reinaugurado o Theatro Santa Thereza, daquela cidade, o qual se achava esquecido e abandonado, e passou agora por importantes obras, tomando a denominação de Theatro Municipal João Caetano.

Este teatro, como o de São Pedro de Alcântara, na Capital Federal, esteve mais de uma vez em risco de ser transformado em qualquer coisa que não fosse teatro; de uma feita, foi salvo por Manoel Benício, que era então vereador, e agora encontrou no Dr. Paulo Alves, um prefeito digno e inteligente que, por uma quantia relativamente insignificante, o mandou restaurar. E um bom teatro, elegante, cômodo, apropriado à representação do drama e da comédia.

O Dr. Paulo Alves compreendeu que uma cidade, onde o teatro cai em ruinas, dá triste cópia de si; portanto, um dos seus primeiros cuidados, ao tomar conta da Prefeitura, foi fazer com que desaparecesse tão inequívoca prova de desmazelo e de incúria.

Entretanto, Nictheroy tem toda a desculpa; primeiro por ter sido a maior vítima da revolta de 6 de setembro: segundo, porque a despojaram durante um largo período de tempo, da sua coroa de capital; terceiro, pela crise econômica do Estado do Rio de Janeiro.

Agora, que desapareceram os últimos vestígios da guerra civil, haja embora o desastrado propósito de rememorá-la na praça publica, em bronze, agora que Nictheroy voltou a ser, como d'antes, a capital do Estado, e este começa a gozar os benefícios da sábia administração de Nilo Peçanha, era justo que se abrissem de novo as portas do teatro, cujas paredes guardam o eco de tantas e tão gratas recordações do passado.

O Santa Thereza foi construído por João Caetano sob o influxo do seu ilustre amigo, Marques do Paraná, que dirigia então os destinos da província do Rio de Janeiro. O grande artista, que estava então no apogeu da fama e do talento, e era empresário do São Pedro, obteve uma subvenção dos cofres provinciais para dar um espetáculo por semana em Nictheroy.

Toda a companhia, inclusive os músicos, era transportada semanalmente numa grande falua que João Caetano tinha à sua disposição, e, como constituíssem todos uma grande família estreitamente unida, a travessia, quer na ida, quer na volta, era turbulenta e alegre, principalmente em noites de luar; os músicos não deixavam inativos os seus instrumentos, os artistas cantavam e riam, e as ninfas do Guanabara surgindo das ondas, sorriam à embarcação festiva que deslizava serenamente sobre o azul. Assim como os gregos conservaram a tradição do Carro de Thespis, nós poderíamos conservar a da falua de João Caetano.

O trágico fluminense não era um fiel observador do contrato que o prendia à Nictheroy; para ele alguns meses não tinham mais que três semanas, e esses continuados abusos começavam a indispor o público nictheroyense, quando a autoridade, num assomo de energia, intimou o empresário a dar os quatro espetáculos mensais a que era obrigado, sob pena de lhes ser descontada a parte respectiva da subvenção.

Aconteceu que certa voz a companhia chegara ao penúltimo dia do mês sem ter dado o quarto espetáculo, e não fazia conta ao empresário, que nesse tempo não nadava em ouro, perder a quarta parte da subvenção; por isso, ele avisou aos artistas que no dia seguinte, às horas do costume, se achassem na falua.

Nenhum faltou, embora chovesse a cântaros, e a cidade estivesse inundada por um verdadeiro dilúvio. Mesmo assim, embarcaram todos, e lá foi a falua, sabe Deus como, afrontando esse tremendo temporal.

Em Nictheroy chovia como no Rio de Janeiro. Os artistas tiveram grande dificuldade em desembarcar, e chegaram ao Santa Thereza encharcados da cabeça aos pés, as mulheres trepadas sobre os ombros dos homens.

Era a hora do espetáculo, mas o teatro estava às escuras, porque os empregados não contavam com os artistas. João Caetano mandou iluminar, e dez minutos depois os músicos executavam uma sinfonia nos instrumentos constipados.

No momento de começar a representação, foram dizer a João Caetano, no camarim, que havia um único espectador no teatro.

"Mesmo quando não houvesse nenhum, daríamos o espetáculo", respondeu ele. "O que eu quero é salvar a subvenção. Que suba o pano!"

Imagine o leitor o que seria esse espetáculo, a que assistia um único espectador, como o rei da Baviera no Theatro de Wagner!

No meio do 1º ato, a atriz Jesuina Montani, tendo que dizer um longo monólogo, interrompeu a representação e perguntou ao espectador:

- "O senhor exige que eu diga toda esta fala?"
- "Não exijo nada, minha senhora. Estou aqui para resguardar-me da chuva".

Daí, por diante o espectador era constantemente interpelado, ora por um, ora por outro artista:

- "Não acha que podemos suprimir este dialogo?"
- "Acho."
- "Não lhe parece que o 3° ato pode acabar aqui?"
- "Parece-me."

O próprio João Caetano perguntou: "O cavalheiro não está se aborrecendo?"

- "Não, Sr. comendador!"
- "Deseja então que isto continue?"
- "Como quiser?"
- "Pois continue!"

Pouco depois das dez horas estava terminado o espetáculo e salva a subvenção.

Desta narrativa pode dar testemunho a atriz Jesuina Montani, que ainda vive.

Entretanto, quando não chovia, o Santa Thereza estava sempre cheio, e muita gente ia daqui assistir ao espetáculo na outra banda. A baía era então um dos passeios prediletos dos cariocas, e o teatro o elo que estabelecia certa sociabilidade entre as famílias das duas capitais.

O prefeito de Nictheroy pensa - e com toda a razão - que não há motivo para que se não reate esse elo, que tanto importa ao progresso da da capital vizinha; no entanto, recompondo o teatro, e criando uma escola de arte dramática e de música, ele conta exclusivamente com a população da Praia Grande. Muito ingrata será esta, se não acudir, cheia de patriotismo, ao apelo do ilustre funcionário.

Já na primeira coluna do jornal "Paíz", de segunda-feira passada, me referi à festa da inauguração do Theatro Municipal João Caetano, uma festa brilhante, inesquecível, que teve apenas contra si o ser presidida pelo obscuro autor destas linhas. Salvador de Mendonça estudou, com muito colorido de frase, a figura excepcional do primeiro ator brasileiro, e Paulo Alves, num magnífico repto, que eletrizou a assistência, exalçou a ideia de levantar o teatro brasileiro. Deus o ajude nesse misericordioso empenho."

Arthur Azevedo para "A Notícia", em 21 de julho de 1904






Tags João Caetano, Arthur Azevedo, Jesuina Montani,




Live de Marcelo Caldi nas redes do Theatro Municipal
"Elas também...só pensam naquilo" entra em cartaz no Theatro Municipal
O Non Stop Group sobe ao palco Theatro Municipal de Niterói
Mona canta Linda no Theatro Municipal
Daniel Scisinio lança EP "Operário da Boemia" no Municipal


aaaaaa

Mapa do Site

Cultura Niterói
 
Espaços Culturais
 
Programas
 
Outros
 
 
 
Portal Transparência
Contracheque Online
e-SIC
Comprovante de Rendimento
Consulta de Processos
 
Rua Pres. Pedreira, 98, Ingá - 24210-470, Niterói - RJ | Tel: (21) 2719-9900 | E-mail niteroi.culturas@gmail.com