Secretaria de Cultura de Niterói / Fundação de Artes de Niterói
  BOA VIAGEM
 
 
Agenda
Cultura
Niterói

Baixe aqui nossa programação mensal completa
Cultura Niteri

Área: 0,23 km2
População: 2104 habitantes (IBGE 2000)

Boa Viagem, um dos menores bairros da Região Praias da Baía e de Niterói, apresenta como limites Ingá, São Domingos, Gragoatá e as águas da Baía de Guanabara. No seu litoral encontramos falésias com grutas; a enseada com a praia; as ilhas de Cardos e Boa Viagem(1); o Torreão(2) além do enroncamento(3) do aterrado da Praia Vermelha, por onde passa a Avenida Litorânea.

À exceção das franjas do Morro do Ingá, ao longo da antiga rua Boa Viagem (atual Antônio Parreiras), a ocupação e urbanização do bairro são recentes, aceleradas nos últimos anos com a construção de edifícios residenciais e o aumento de serviços oferecidos.

A topografia dificultou o processo habitual de ocupação. A paisagem natural foi mantida sem alterações drásticas até as primeiras décadas do séc. XX. Antigos viajantes descreviam o lugar como um pequeno paraíso devido aos morros cobertos de vegetação, às ilhas e uma fonte de água potável próxima à praia de águas tranqüilas e limpas(4).

A presença do homem branco, do colonizador português aos "funcionários estrangeiros", principalmente ingleses e alemães, foi marcante. As chácaras e antigos casarões são marcos dessa época, observando-se atualmente apenas a presença de alguns (uns em ruínas, outros conservados e alguns transformados em casas de cômodos), localizados em um dos lados esquerdos da rua Antonio Parreiras.

A destruição do "pequeno paraíso" dos livros de antigos viajantes foi desencadeada na década de 30 pelo cataclisma provocado no local pela Cia. de Melhoramentos de Niterói. Uma obra de reurbanização de toda a região, sem respeitar o meio ambiente, foi iniciada a todo vapor: desapropriações foram feitas, árvores derrubadas, novas ruas abertas, a paisagem aplainada a trator.... Quando o caos instalou-se, faltou verba e homens e máquinas pararam. O paraíso descrito nos livros não existia mais. A "obra" só foi retomada décadas depois quando então foi executado o plano de melhoramentos traçado no séc. XIX, que previa a construção de um caminho por toda a orla da baía, ligando a Ponta D’Areia a São Francisco. O pouco que restara ainda intacto da paisagem natural, mudou. A área entre o Pontal do Gragoatá e a praia da Boa Viagem foi aterrada e feito um enroncamento, desaparecendo as praias do Fumo (em Gragoatá) e a Vermelha ou Roxa(5), ganhando-se uma grande área do mar, cuja maior parte atualmente pertence ao campus da UFF.

Desde os tempos do Brasil colônia o perfil do bairro sempre teve como mais significativo o seu litoral. Atestam isso, entre outros documentos, relato do séc. XVIII (1779) que mencionava a presença de 37 embarcações, entre pranchas a remo e saveiros, ancoradas na enseada; as ruínas da ponte de atracação; a abertura da rua da Boa Viagem(6) e as edificações na ilha da Boa Viagem.

Por suas características e seu relevo submerso (lajes, grutas, etc.), a área em torno da ilha da Boa Viagem sempre foi um excelente pesqueiro. A variedade de espécies da flora e fauna marinhas, levou ao local pescadores profissionais e amadores, além de pesquisadores e estudiosos da vida marinha.

A ilha da Boa Viagem, de relevo bastante erodido, com pequenas grutas e coberta de vegetação, tem excelente localização em relação à entrada da Baía de Guanabara. É um ponto de onde se avistam todas as embarcações que chegam ou saem da baía. O seu sítio é um dos principais monumentos da história de Niterói, por suas edificações e caminhos escavados na pedra. Na ilha, o sacro e o profano, a religião e a guerra, sempre conviveram. Como conviveram em todo processo de expansão marítima e colonização - a Igreja, o Fortim, e a Escola de Aprendizes Marinheiros (1840 a 1846). Até mesmo um lazareto(7) cogitou-se construir no local.

A Igreja de N. S. da Boa Viagem, protetora dos que se aventuravam pelo mar, foi construída no séc. XVII (no ponto mais alto da ilha, em frente ao mar) pelo Provedor da Fazenda Real(8) que na porta principal mandou colocar as suas armas. O dia da padroeira era festejado com romaria de pequenas embarcações. Aqueles que viviam do mar e os viajantes, para lá dirigiam suas preces nos momentos de dificuldades, pagando depois promessas pelas graças alcançadas, levando valores (ouro) e objetos (cera) para a Igreja(9). A Igreja esteve em plena atividade em alguns períodos e em outros, abandonada. Ela foi ampliada e restaurada, chegando a passar por dois incêndios: um acidental, durante festejos, e outro criminoso, para encobrir o roubo de suas pinturas e imagens sacras. No início do Século XX foi entregue à Sociedade Protetora dos Homens do Mar, que a reformou e melhorou as suas vias de acesso. Construiu-se a ponte de cimento(10) ao longo do cordão de areia, ligando a ilha ao continente; instalou-se um posto de salvamento no local; e a ilha passou a ser abastecida de luz elétrica e várias festas religiosas são promovidas. Atualmente a Associação de Amigos da Ilha da Boa Viagem coordena os projetos que dizem respeito ao local.

O Fortim da Boa Viagem, chamado de Bateria da Boa Viagem, construído estrategicamente no local, ao longo do tempo foi artilhado e desarmado. Os dois principais momentos em que participou de conflitos foram: durante o ataque da frota do corsário francês Duguay Trouin (1711) ao Rio de Janeiro, em que a insuficiência de armamentos o levou a rendição; e durante a Revolta da Armada, quando foi bombardeado e arrasado.11

Mais recentemente em 1937, o Grupo Escoteiro Gaviões do Mar fez da ilha da Boa Viagem o local de sua sede.

(1) - Somente na maré cheia e com mar agitado, a língua de areia que liga a ilha ao continente é coberta pela água do mar.
(2) - Bloco de pedra entre a ilha e o continente, tombado pelo SPHAN (Serviço do Patrimônio Histórico Artístico Nacional).
(3) - Maciço de pedras arrumadas ou jogadas, destinado a proteger aterros ou estruturas dos efeitos da erosão.
(4) - Até o início da década de 60, permanecia ancorado junto ao antigo cais da enseada, um hidroavião, às vezes dois, e que de lá mesmo alçava vôo.
(5) - Assim denominada devido a cor de suas areias, misturadas à argila vermelha erodida das margens (barreiras vermelhas.
(6) - Corte no morro, depois rebaixado, para permitir acesso direto à praia da Boa Viagem.
(7) - Local para abrigo de tripulações em quarentena.
(8) - Diogo Carvalho da Fontoura.
(9) - Em 1829, retirou-se da Igreja enorme tesouro: ouro e muita quantidade de cera.
(10) - A ponte atual, bem mais alta, foi construída na década de 70.
(11) - A Igreja foi afetada por este ataque.








ÍNDICE DOS BAIRROS DE NITERÓI

REGIÃO DA BAÍA REGIÃO NORTE REGIÃO PENDOTIBA REGIÃO LESTE
Ponta D'Areia Ilha da Conceição Ititioca Muriqui
Centro Barreto Largo da Batalha Rio do Ouro
São Domingos Santana Maceió Várzea das Moças
Gragoatá São Lourenço Sapê
Boa Viagem Engenhoca Badu REGIÃO OCEÂNICA
Ingá Fonseca Cantagalo Jardim Imbuí
Morro do Estado Cubango Maria Paula Piratininga
Icaraí Tenente jardim Matapaca Cafubá
Fátima Viçoso Jardim Vila Progresso Jacaré
Pé Pequeno Baldeador Santo Antônio
Santa Rosa Caramujo Camboinhas
Vital Brazil Santa Bárbara Serra Grande
Viradouro Maravista
São Francisco Itaipu
Cachoeira Engenho do Mato
Charitas Itacoatiara
Jurujuba




Tags ,




Etimologia de Araribóia, por Manoel Benicio
Exposição relembra os tempos de escola
"Memórias da Rua" leva fotografias históricas para as Praças
Niterói comemora 440 anos com grande programação cultural
Historiador lança "Os bispos católicos e a ditadura militar brasileira"


aaaaaa

Mapa do Site

Cultura Niterói
 
Espaços Culturais
 
Programas
 
Outros
 
 
 
Portal Transparência
Contracheque Online
e-SIC
Comprovante de Rendimento
Consulta de Processos
 
Rua Pres. Pedreira, 98, Ingá - 24210-470, Niterói - RJ | Tel: (21) 2719-9900 | E-mail niteroi.culturas@gmail.com