Secretaria de Cultura de Niterói / Fundação de Artes de Niterói
  MAC NITERÓI SE MOSTRA NOS DIFERENTES MATERIAIS
 
 
Agenda
Cultura
Niterói

Baixe aqui nossa programação mensal completa
Cultura Niteri

Com curadoria de Luiz Guilherme Vergara e Marcia Müller, o Museu de Arte Contemporânea recebeu de 4 de julho de 2000 a 15 de abril de 2001 a exposição "Dos materiais às diferenças internas: o metal, a madeira, o tecido e a pedra".

A curadoria educativa "Dos materiais às diferenças internas" foi pensada essencialmente para se olhar, reparar e pensar sobre a diversidade de materiais e procedimentos que formaram as principais práticas artísticas do último século. Para esta exposição foram reunidas obras dos últimos quarenta anos, tomando como ponto de partida as diferentes naturezas dos materiais empregados, buscando estimular no espectador a integração entre suas sensações e a reflexão sobre aquelas diferenças.

A exposição tirou partido do percurso arquitetônico circular do MAC, ordenando as obras em segmentos para criar uma trajetória paralela entre os materiais, seus simbolismos e as sensações que eles provocam. No primeiro segmento da exposição, as obras dos artistas Antonio Dias, Athos Bulcão, Ivens Machado, Jorge Barrão e Paulo Roberto Leal apresentavam uma multiplicidade de materiais não convencionais, introduzindo assim essa questão.

A partir dessas obras uma seqüência se estabeleceu: o metal, a madeira, o tecido e a pedra. Cada conjunto de obras apresentava ao espectador diferentes usos que um mesmo material poderia assumir, sua leitura pelas qualidades físico-químicas e suas referências simbólicas. A partir do deslocamento pelo espaço, o visitante poderia costurar uma rede de relações entre as obras e seus materiais, estabelecendo as diferenças.

Assim foram organizados os segmentos e suas diferentes leituras:

O Metal (do latim metallu), elemento químico, em geral sólido, é bom condutor de calor e de eletricidade, maleável e tem grande força física. Diferentemente dos outros materiais, é dotado de brilho próprio. Na simbologia chinesa significa espada, execução e morte. Para este segmento foram reunidas obras em metal dos artistas Franz Weissman, João Carlos Goldberg, Jorge Duarte, Lygia Clark e Raymundo Colares.

A Madeira (do latim materia), parte dura ou fibrosa do tronco, ramos e raízes de uma árvore, tem a propriedade de se consumir pela combustão e serve como isolante. No vocabulário chinês, madeira – tong – significa comunhão e alegria. O segmento foi representado pelos artistas Abraham Palatnik, Farnese de Andrade, Frans Krajcberg, Gastão Manuel Henrique, Ione Saldanha e Joaquim Tenreiro.

O próximo segmento, Tecido (do latim textile), foi representado pelas obras de Artur Barrio, Cildo Meireles, Eliane Duarte, Ernesto Neto e Katie van Scherpenberg. O tecido é uma trama de fios de fibra natural, artificial ou sintética. Simboliza o véu ou aquilo que serve para cobrir e ocultar alguma coisa ou fato.

Finalizamos com as obras em Pedra (do latim petra) dos artistas Frans Krajcberg, Haroldo Barroso, Nelson Felix e Sérgio Camargo. A pedra é substância inorgânica, dura e compacta que se encontra no interior ou na crosta terrestre. Assim como as montanhas e as rochas, a pedra é símbolo de longevidade.

Buscou-se, com esta curadoria e montagem, estimular o visitante para o exercício do olhar atento, ligado às sensações, mesclando percepção e imaginação para a descoberta e apreciação da diversidade dos materiais e de sentidos internos de cada objeto artístico, onde se revelam suas diferenças. Mas como experimentar os materiais e sentir suas qualidades se não é permitido tocar nas obras dentro de um museu?

Na seqüência, então, foi criado um espaço onde o público poderia tocar nos materiais, e através da experimentação perceber suas qualidades, estabelecendo um novo diálogo com os materiais e as obras expostas. Disponibilizamos para os visitantes um “Coisário” (conjunto de coisas reunidas e guardadas em qualquer lugar formam um coisário) com objetos separados por suas qualidades materiais, assim como foram distribuídas as obras na exposição: metal, madeira, tecido e pedra. Oferecemos ainda apostilas de consulta e pesquisa mais aprofundada sobre os artistas.

Com esta curadoria inaugurou-se no MAC, dentro do próprio percurso expositivo, um local destinado ao público e à participação – o Espaço de Experiência e Leitura –, que nessa mostra se transformou em um território de experiências sensoriais com os materiais, onde coisas e objetos do cotidiano foram ressignificados através de exercícios de assemblagem. Este novo espaço transforma não só a relação do espectador com a obra de arte, mas também sua relação com o museu. O museu deixou de ser lugar de contemplação de objetos estáticos e sem vida para se transformar em lugar de criação, aproximando os visitantes dos materiais e procedimentos artísticos contemporâneos através da participação compartilhada em que se estabelecem novos significados.


SERVIÇO

Dos materiais às diferenças internas: o metal, a madeira, o tecido e a pedra
Curadoria de Luiz Guilherme Vergara e Marcia Müller
Data: De 4 de julho de 2000 a 15 de abril de 2001
Local: Mac Niterói End: Mirante da Boa Viagem S/N - Boa Viagem






Tags Guilherme Vergara, Marcia Müller,




Coletivo Entreartes abre a exposição "Ressurgência", no MAC Niterói
IPHAN anuncia conclusão do processo de tombamento do MAC
"Um Autorretrato Cubano" é a primeira exposição virtual do Mac Niterói
Yuli Yamagata abre exposição inteira feita especialmente para o MAC
Coleções afetivas: acervo de arte de uma cidade


aaaaaa

Mapa do Site

Cultura Niterói
 
Espaços Culturais
 
Programas
 
Outros
 
 
 
Portal Transparência
Contracheque Online
e-SIC
Comprovante de Rendimento
Consulta de Processos
 
Rua Pres. Pedreira, 98, Ingá - 24210-470, Niterói - RJ | Tel: (21) 2719-9900 | E-mail niteroi.culturas@gmail.com