Passado o Natal deste ano de 2007, começa a contagem regressiva para o ano que está por vir. A época é propicia para fazer uma avaliação de tudo o que aconteceu durante o ano e ficar na expectativa de tudo o que poderá acontecer no próximo. Não é diferente com as atividades da nossa cidade que em 2007 deu um banho de opções na programação cultural.

De sessões de cinema a apresentações gratuitas de música instrumental, as atividades culturais em Niterói, esse ano, foram ecléticas e agradaram a todos. Mesmo aqueles que reclamam da falta de programação cultural na cidade tiveram opções.

Na área do cinema não podemos julgar apenas um, mas os muitos filmes que foram projetados no Tela Niterói, projeto municipal de incentivo ao cinema nacional.

Durante os fins de semana foram apresentadas sessões de cinema gratuitas nos centros culturais da cidade e no Museu de Arte Contemporânea MAC). Em incentivo aos cineastas da cidade, cada sessão foi aberta por um curta-metragem produzido na cidade.

Incentivo à produção local

Niterói, que tem uma produção cultural intensa - e extensa tanto na área musical, quanto na literária, apoiadas pela Niterói Discos e Niterói Livros, ganhou em 2007 a ideia de mais um selo de incentivo à cultura: a Niterói Filmes.

Para o secretário de Cultura de Niterói, André Diniz, 2007 foi o ano de incentivo e valorização do cinema na cidade - e se estenderá em 2008, com a previsão de construção do Museu do Cinema. "Nosso objetivo não é fazer de Niterói uma Gramado, mas investir e apostar na formação de novos profissionais e críticos. Queremos suprir a carência da cidade quanto ao cinema e oferecer o que ela estava perdendo, quando grandes cinemas já estavam fechando afirma o secretário.

Com o selo Niterói Filmes, segundo Diniz, o curso superior de cinema na cidade, que é oferecido pela Universidade Federal Fluminense (UFF), referência nacional na área, fica ainda mais valorizado.

"O objetivo do selo Niterói Filmes é fomentar o cinema da cidade que já tem uma universidade de referência e agora terá o Centro Petrobrás de Cinema. A cidade em pouco tempo será um polo de produção e de profissionais da área", garante.

Quem ganhou, sem dúvida foram as milhares de espectadores que tiveram a oportunidade de conferir gratuitamente, durante o ano, filmes como "Dona Flor e seus dois maridos", dirigido por Bruno Barreto, adaptado da obra de Jorge Amado; "Chuvas de verão", um drama de 1977, dirigido à época, por Cacá Diegues, e ainda, o documentário "A vida é um sopro", de Fabiano Maciel, sobre a vida do arquiteto Oscar Niemeyer, além de muitas outras obras importantes do cinema nacional e municipal.





Publicado em 03/05/2021