A Sala José Cândido de Carvalho está completando 25 anos.

Para celebrar a data, a Prefeitura de Niterói, a Secretaria Municipal de Cultura e a Fundação de Arte de Niterói vão promover a exposição 'Sempre vos amei'.

A mostra terá vernissage no dia 28 de maio, às 19h
Rua Presidente Pedreira, 98. Ingá. Niterói. RJ
Visitação: 29 de maio até 22 de julho de 2013
Segunda a sexta, 9h às 17h


EXPOSITORES

Alex Frechete Analu Prestes Anderson de Sousa Claudia Swan
Cláudio Gabriel Emanuel Monjardim Isa Aderne Isabel Carneiro
Isis Braga João Bosco Millen Mauricio Bentes Nathalie Braga
Paulo Boardman Roberto Dalmo Rosana Ramalho Vanessa Gerbelli



Clique na imagem para ampliar



VERNISSAGE, em 28 de maio de 2013



Fotos de Thiago Côrtes


Marco Lucchesi
"José Cândido de Carvalho. Basta o nome para dar início a um espetáculo de consciencioso malabarismo entre imagem e palavra. Como se mágicos e trapezistas tecessem uma linguagem ao mesmo tempo casta e luxuriosa, antiga e atual, escura e diáfana. Com muitos feixes de neologismos que brilham no céu de Frederico e Lulu Bergantim, colorindo as aventuras de um lobisomem às avessas.

Tive a sorte de conhecê-lo, refiro-me a Zé Cândido, bem entendido, antes que ele se decidisse a atravessar o Rubicão. Andava eu na casa dos vinte e havia céu, escuro e sem Lua, com a praia de Icaraí emoldurada na janela da casa de Alberto Torres, que diz longos trechos da Oração aos moços, de cor, a propósito de um discurso que ele pronunciara – no pretérito mais que perfeito formal – da tribuna da Câmara dos Deputados.

Zé Cândido ouve atento e silencioso. Com leve sorriso nos lábios. Parecia dizer apoiado!, muito bem!, mas pensava na verdade numa frase inacabada. Queriam-se bem aqueles dois grandes amigos, em tudo tão iguais e diferentes. Alberto gostava de ouvi-lo sobre questões mil vezes formuladas a Zé Cândido que outras mil vezes respondia, com paciência beneditina. Dentre elas, se Ponciano de Azeredo Furtado realmente existiu; se o autor inspirou-se na língua do norte fluminense ou na de Trás-os-Montes; se preferia Alencar a Jorge Amado; se reconhecia Memórias de um sargento de milícias na atmosfera do Coronel.

Zé Cândido, que sempre foi um tímido, conversa livremente, porque só Alberto sabia fazê-lo falar para uma multidão, composta por meia dúzia de pessoas. E de fato havia um círculo discreto formado por Dolores e Nina Rita, por meus pais e por mim, encantados com as palavras de Zé Cândido, como se a noite ainda não houvesse terminado.

Como ele, que não terminou Rei Baltasar, também não termino esta memória breve, dedicada a Meli e Desirée Monjardim."


Marco Lucchesi



Fotos de Luiz Ferreira



Desirée Monjardim
"Foi exatamente no mês de maio de 1998 que inaugurei minha primeira curadoria na Sala José Cândido de Carvalho (SJCC). Dois acontecimentos considero relevantes ao longo desses quinze anos. Havia uma verdadeira declaração de intenções quando liguei para Meli (Amélia Bezerra de Menezes). Ela me convidou para um chá, um convite à vida. Desde então nos tornamos amigas, sabia tudo sobre a programação, recebendo os convites com regularidade. Produzi dois catálogos e Meli participou fornecendo documentos sobre o José Cândido, me deixou escolher a foto do casal e me presenteou com um texto sobre o que pensava acerca de minha curadoria.

Em 1999, bateu à minha porta, me informando que era aluno da Escola de Belas Artes da UFRJ (EBA) e perguntou se poderia ser meu assistente. Nascia ali um vínculo indestrutível entre eu e aquele jovem de 22 anos. Hoje estou orgulhosa de você, Felipe Barbosa, meu ex-assistente.

Estou comemorando 15 anos de curadoria, mas a festa é dos 25 anos de inauguração da SJCC. Continuo considerando cada um artista necessário. Minha classe é frágil e ousada, não sendo controlada por palavras. Nascemos para o outro, e considero que a verdadeira liberdade não é seguir seus impulsos mas seguir suas escolhas.

Sou gratíssima à Prefeitura de Niterói que através da Fundação de Arte de Niterói (FAN), da Secretaria de Cultura e da Superintendência Cultural, se apresenta generosa e séria. A galeria está sendo reformada, ganhando mais uma parede, portas de vidro e ar refrigerado.

A Meli estava acompanhando desde janeiro o movimento de reforma da galeria, mas de repente ela resolveu comemorar com seu amado José, botafoguense que era, o título de campeão carioca de futebol de 2013 e a conquista de 2 taças: Guanabara e Taça Rio. Meli e José Cândido, estou aqui e um dia nos encontraremos com certeza.

Para Dora Basílio e Geraldo Edson de Andrade, in memoriam. "


Desirée Monjardim



Clique para ampliar



Tags:






Publicado em 12/07/2013

Sala José Cândido de Carvalho inaugura exposição "O Agro é Pop" De 21 de janeiro a 24 de março