Surgido em 1998, na cidade de Niterói, RJ, o grupo Tio Samba define-se como uma "orquestra típica de samba". É formado pelos músicos Carlos Mauro e Luciana Lazulli (voz), Fabiano Segalote (trombone e bombardino), Marcio Arese (sax tenor), Beatriz Stutz (clarineta e sax alto), Matheus Moraes (trompete e flugelhorn), Carlos Vega (tuba), Marconi Bruno, Alfredo Alves e Diogo Barreto (percussão), Bernardo Dantas (violão) e Thiago Cunha (cavaquinho).

Seu repertório é constituído de composições de autores como Noel Rosa, Ary Barroso, Geraldo Pereira, Ataulfo Alves, Cartola, Ismael Silva, Assis Valente, Tom Jobim, Baden Powell, Chico Buarque e outros gênios da nossa música popular, além de sambas de autoria dos próprios integrantes do grupo. Seu principal diferencial são os arranjos que, ao unir os típicos violão, cavaquinho e percussão dos regionais de samba com os instrumentos de sopro geralmente utilizados nas bandas de música, produzem uma sonoridade ímpar, muito vibrante e também sofisticada.

Em maio de 1998, Carlos Mauro convidou o saxofonista Marcio Arese para juntos colocarem em prática a ideia da orquestra típica de samba. O nome Tio Samba surgiu como uma brincadeira com o Tio Sam, símbolo do governo dos Estados Unidos, sempre presente nos cartazes de convocação para o alistamento dos jovens nas forças armadas americanas acompanhado dos dizeres "Nós queremos você" (We want you). Além disso, é uma referência ao tratamento carinhoso e respeitoso que as crianças e jovens brasileiras costumam dar às pessoas mais velhas muito queridas.

Formado o grupo e aprontados os arranjos, iniciaram-se os ensaios em julho de 1998. Em outubro daquele ano, o Tio Samba fez sua primeira apresentação pública tocando algumas músicas numa cerimônia ao ar livre no centro da cidade do Rio de Janeiro. Em janeiro de 1999, fez seu primeiro show na extinta casa noturna Arco da Velha, na Lapa.

A partir de fevereiro do mesmo ano, o grupo passou a se apresentar nas noites de sábado no bar-antiquário Emporium 100, um dos locais em que se iniciou o processo de revitalização cultural da Lapa e o surgimento de nova geração de artistas ligados ao samba. A partir deste trabalho, o Tio Samba foi convidado a participar de muitos shows e projetos, em vários locais nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Em 2003, o Tio Samba lançou seu primeiro CD, “Quero Ver” (Ethos Brasil) com composições próprias e sambas de autores consagrados. Em 2010, produziu o CD “É Batata! - Carmen Miranda” Revisited (Centro Cultural Carioca Discos), totalmente dedicado a uma releitura do repertório da "Pequena Notável". Em 2012, chegou ao mercado o CD "Mais pra cá do que pra lá" (Delira Musica), com um repertório constituído exclusivamente por canções inéditas e autorais.

O grupo já tocou com grandes intérpretes e compositores de samba, entre eles: Wilson Moreira, Walter Alfaiate, Delcio Carvalho, Tia Surica e Paulo Marquez, além de ter se apresentado com artistas como Nana Caymmi, Germano Mathias e Luciana Alves. Em seu currículo, incluem-se apresentações em diversas casas de espetáculo, destacando-se a Sala Sidney Miller, da Funarte, o Centro Cultural da Light, o Teatro Rival, o Teatro Municipal de Niterói, o Teatro da UFF, o Teatro Municipal de Nova Friburgo, a Choperia do Sesc Pompéia, o Allegro Bistrô da Modern Sound, o Centro de Convenções do Anhembi, a Sala Baden Powell, o Centro Cultural da Justiça Federal e o Centro Cultural Carioca.






Publicado em 0000-00-00
Museu Antônio Parreiras