Niterói, 16 de março de 1935

Inaugurou-se ontem à noite com grande solenidade, a Biblioteca Universitária do Estado do Rio. Presidiu o ato o Sr. Comandante Ary Parreiras, Interventor Federal, que, às 20 horas e meia, chegou ao edifício do novo instituto, na Praça da República, onde foi recebido pelos Secretários do Governo e delegações de associações culturais.

Às 20h45 teve início a Sessão inaugural, com o discurso do Sr. Dr. Ruy Buarque Nazareth, Secretário do Interior e Justiça, que salientou a significação daquele ato, com a instalação da primeira Biblioteca Universitária criada no país. Em seguida, realizou-se, no mesmo edifício, a sessão solene da Academia Fluminense de Letras, que quis assim celebrar a inauguração daquele centro cultural.

A Biblioteca Universitária dispõe de cerca de 30.000 volumes, abrangendo todos os ramos do conhecimento humano. Livros de ciências, de literatura, de arte, filosofia, história, de todos os assuntos, enfim, ali se encontram à disposição dos estudiosos. Terá, além disso, a Biblioteca Universitária, coleções das mais importantes revistas técnicas, nacionais e estrangeiras.

O edifício, em que está instalada a valiosa livraria, é dos mais imponentes de Niterói, situado na mesma praça em que se encontram a Assembleia Legislativa, o Fórum, a Polícia Central e o Lyceu Nilo Peçanha.

No andar térreo estão instalados o gabinete do diretor, secretaria, portaria, seções de expediente e os armazéns do Arquivo Público, subordinado à Biblioteca, que guardam a documentação da vida administrativa da terra fluminense, desde a criação da Província em 1835.

O corpo central, do andar superior, é ocupado pela sede da Academia Fluminense de Letras.

Nesse andar ficam as salas de leitura e os depósitos de livros. São duas as salas de leitura, uma denominada Saturnino de Brito, o eminente engenheiro, e outra, Alberto Torres, o grande sociólogo, ambos fluminenses. Compreende a primeira sala a seção propriamente universitária, destinando-se às obras didáticas; a segunda estará franqueada aos que queiram consultar publicações periódicas. Ambas têm capacidade para receber 80 leitores simultaneamente.

Apurado gosto presidiu a instalação das salas de leitura, onde os consulentes encontrarão todo o conforto para ler, em carteiras e mesas individuais. Nas paredes dessas salas encontram-se várias telas de artistas fluminenses.

Dirige a Biblioteca Universitária e o Arquivo Público do Estado o professor e jornalista Nelson Lacerda Nogueira. Na sessão solene da Academia Fluminense de Letras, falaram os Srs. Belfort Vieira, sobre Saturnino de Brito; e Luiz Lamego, sobre Alberto Torres, patronos das duas salas de leitura.

Nota do "Centro Acadêmico Evaristo da Veiga"

A propósito da solenidade da inauguração da Biblioteca Universitária do Estado do Rio, o Centro Acadêmico Evaristo da Veiga, da Faculdade de Direito de Niterói, emitiu a seguinte nota oficial na data da inauguração:

"Inaugurando-se solenemente a Biblioteca Universitária do Estado do Rio, velha aspiração da mocidade acadêmica que o largo tirocínio de Ary Parreiras satisfez, coadjuvando por essa intelectualidade sadia que é Lacerda Nogueira, tornando-se ambos, dessarte, credores da gratidão de todos nós, o Centro Acadêmico Evaristo da Veiga, da Faculdade de Direito de Niterói, faz um veemente apelo a todos os estudantes fluminense para que compareçam a esse relevante ato de cultura, numa demonstração insofismável do reconhecimento da classe estudantil aos que cuidam com carinho dos altos problemas da nossa terra.

A casa que hoje se inaugura constitui para nós outros, estudantes, um patrimônio de indizível valor. Estudantes de direito, de medicina, de engenharia e de quaisquer outras carreiras, encontraremos todos na Biblioteca Universitária estantes completas para as nossas pesquisas.

E nós que pretendemos fazer dela a nossa casa de estudo, é justo que vamos hoje assistir à sua instalação, como atestado vivo do nosso grande interesse por esse empreendimento feliz que tantos e tão bons serviços nos há de prestar. Colegas fluminenses de todas as escolas, a Biblioteca Universitária é legado precioso à nossa classe, para benefício nosso e honra ao merecido renome da terra do Estado do Rio."



Com informações do Jornal do Commercio, O Fluminense e O Jornal.
Na imagem da capa - Inauguração da Biblioteca Universitária do Estado do Rio pelo interventor Ary Parreiras (marcado com um *) ladeado pelos srs. general Christovam Barcellos, dr. Antonio Figueiredo, dr. Ruy Buarque e outros (Revista da Semana, Ano XXXVI, Nº 15, de março de 1935).


Leia também:
Biblioteca Parque de Niterói
Criação do Arquivo Público e Biblioteca Universitária
Inauguração da sede da Academia Fluminense de Letras


Tags:






Publicado em 16/03/2023

Mestiçagem racial no teatro é tema de curso na Biblioteca Parque Quarta-Feira, 26 de junho
Biblioteca Parque apresenta 'Poema de Amor Ferido' Sábado, 29 de junho