(Memória, 02 de fevereiro de 1994)

Retrato típico de uma época de luxo e extravagância, mostrando um período em que predominavam as turbulências da transição do regime monárquico para o republicano, o secular Solar do Jambeiro , localizado em uma área de 8.000 metros quadrados em São Domingos, Niterói, está sendo atacado por cupins. Parte do forro dos salões mais nobres - Rosa e o Antonio Parreiras - desabou, danificando inclusive os lustres de cristal. O secretário municipal de Cultura e presidente do Conselho de Proteção do Patrimônio, Ítalo Campofiorito, fará uma visita ainda esta semana ao solar, para verificar a situação.

Segundo Silvana Félix da Conceição, uma das responsáveis pela administração do Solar do Jambeiro, há um mês uma poeira granulada começou a cair do teto do Salão Antonio Parreiras, no pavimento superior. Logo em seguida o teto despencou parcialmente. Com o peso, o mesmo acabou acontecendo com o forro do Salão Rosa, no andar térreo. Nos dois casos, além de danos nos lustres, parte do trabalho artístico em gesso também caiu. A proprietária do imóvel Lúcia Falkenberg, residente em São Paulo, já foi comunicada. O Instituto Brasileiro do Patrimônio Cultural (IBPC), antigo Sphan, que tombou o patrimônio em 1972, também foi notificado.

O secretário lembrou que, embora seja tombado pelo órgão federal, o Solar do Jambeiro é um patrimônio particular, não sendo, por isso, de competência da Prefeitura de Niterói a sua restauração. Segundo ele, a isenção do IPTU é tudo o que a Prefeitura pode fazer para colaborar com os proprietários no aspecto manutenção.

Como secretário de Cultura e membro do IBPC me interesso pelo Solar, que pode ser considerado o melhor exemplo de arquitetura do Brasil, mas, infelizmente, pouco ou quase nada podemos fazer, já que é um patrimônio de vocação privada, servindo, ultimamente, de cenário para festas reservadas. "Se a Prefeitura vier a fazer algo, certamente terá de haver uma contrapartida. Neste caso, o correto seria a socialização do acesso ao casario", enfatizou o secretário.

Cenário para as minisséries "Lucíola", "Primo Basílio" e "Menino de Engenho", o Solar do Jambeiro - um casarão com 20 cômodos, quadros, lustres franceses, tapetes, candelabros e outros objetos das mais diferentes procedências - tem uma programação restrita.

A visitação para grupos de, no máximo, 20 pessoas é marcada com antecedência. A riqueza de detalhes incluiu a propriedade no catálogo "Casas nobres de Portugal", citado como o exemplar mais representativo da arquitetura urbana portuguesa do século XIX que ainda conserva as características da construção original.





Publicado em 04/05/2021
Solar do Jambeiro apresenta 9° ciclo de leituras dramatizadas Quinta, 30 de junho
"Brinque Lendo" acontece no jardim do Solar do Jambeiro Sábado, 02 de Julho
Solar do Jambeiro recebe um "Piquenique Literário" Domingo, 03 de Julho