Na última segunda de junho, dia 26, às 19h, o Solar do Jambeiro recebe mais uma edição do Cine Jazz, tradicional evento musico-cinematográfico que celebra este consagrado gênero musical. Nesta edição, temos a exibição de "Live in Belgium" (1964), protagonizada pelo inigualável trompetista Chet Baker.

O músico convidado da noite é o cantor Marcos Hasselmann, que com seu som elegante e eclético, alia a liberdade que o jazz permite nas improvisações a um tempero bem brasileiro. Entrada Franca, classificação indicativa livre.

Live in Belgium (1964)

Chet Baker, um dos mais importantes intérpretes do Jazz dos Estados Unidos, apresenta uma apresentação inesquecível realizada em 1964 em um estúdio de TV Belga, contando com a participação do saxofonista Jacques Pelzer e a pianista francesa René Urtreger. Na performance, gravada em preto e branco, foram incluídos o clássico de Miles Davis "So What" e a emblemática obra de jazz "Time After Time", em uma rara interpretação vocal de Chet.

Marcos Hasselmann

Clique para ampliar
Niteroiense, Hasselmann teve sua iniciação musical aos 11 anos de idade, cantando em um grupo de serestas e tocando cavaquinho. Passou por diversos estilos, inclusive MPB, quando se apresentou em várias casas noturnas de Niterói, do Rio de Janeiro e de Punta del Este. Marcos já se apresentou no Teatro Municipal do Rio com a orquestra do Iate Real Britânico e, passando a viver em São Paulo, foi integrante do "Sexteto do Jô".

Ainda na capital paulista, comandou o Sala de Estar, espetáculo que ficou durante um ano e nove meses em cartaz às quartas feiras no Terraço Itália, na companhia de grandes nomes como o Bira e Osmar Barutti, músicos do programa do Jô. Assumidamente influenciado por Frank Sinatra, promoveu em 2015 o espetáculo "Tributo a Frank Sinatra", com a Sampa Big Band. "Escolhi Frank Sinatra não só pelo fato deste ano ser o seu centenário, mas também pela importância dele no cenário musical mundial e pela influência que exerceu em minha carreira”, diz.

Hasselmann respira música. Para ele, tudo nasce e se transforma com a música. Para o cantor, sua missão é levar as pessoas para um lugar mágico que é aonde ele próprio se coloca quando está cantando.

Chet Baker


Clique para ampliar.



Graças a sua qualidade artística, a sua história e a sua imagem, Chet Baker é tido como uns dos jazzistas mais populares da história, sendo a sua música considerada expoente do Cool Jazz (o jazz da Costa Oeste dos anos 50). Nascido em em 23 de dezembro de 1929, em Yale, Oklahoma (EUA), começou tocando com Stan Getz e Charlie Parker, mas o sucesso veio em sua parceria com o saxofonista Gerry Mulligan, em 1952, com a música "Funny Valentine".

Baker foi um artista genial mas conturbado graças às famigeradas polêmicas envolvendo o uso de drogas. No final dos anos 1960, fase em que teve mais problemas com drogas, vagou pela Europa e chegou a trabalhar como frentista em um posto de gasolina.

No inicio dos 70, com a ajuda de Dizzie Gillespie, retornou aos palcos e apresentou-se em um importante clube de Nova York em 1973, e no Carnegie Hall, com Gerry Mulligan, em 1974. Nos anos seguintes, Baker realizou diversas apresentações na Europa, Japão e Estados Unidos. Em 1985, apresentou-se na primeira edição Free Jazz Festival (festival realizado simultaneamente em São Paulo e Rio de Janeiro), quando sofreu uma overdose.

Em um episódio ainda não completamente esclarecido, três anos depois, Chet Baker despencou da janela do segundo andar de um hotel em Amsterdã, onde vivia na época.


Serviço

Cine Jazz apresenta Chet Baker, em "Live in Belgium" (1964)
Artista Convidado: Marcos Hasselamann
Data: Segunda-feira, 26 de junho de 2017
Horário: 19h
Duração: 90min
Capacidade: 60 lugares
Entrada Franca
Classificação indicativa: Livre

Local: Solar do Jambeiro
Endereço: Rua Presidente Domiciano, nº 195, São Domingos
Telefone: (21) 2109-2222


Clique para ampliar.



Tags:






Publicado em 11/06/2017

Exposição de estudantes de arte chega ao Solar do Jambeiro Até 30 de junho
Solar do Jambeiro: Histórico Leia mais ...