Osmar Ventura Júnior, também conhecido pelo nome artístico Mazinho Ventura, nasceu em 28 de outubro de 1956, no Rio de Janeiro. Baixista e compositor, estudou Teoria Musical no Instituto Vlla-Lobos (RJ) e Harmonia Funcional com Sérgio Benevenuto. Já subiu ao palco ao lado de artistas como Martinho da Vila, Antonio Adolfo, Danilo Caymmi, Ednardo, Beth Carvalho, Emilio Santiago, Claudio Zoli, João Donato, Heitor T P, Patty Austin, Dave Valentine, Karl Hodina, Ivan Lins e Marcos Valle, entre outros.

Em 1977, começou a atuar com a dupla Antonio Carlos e Jocafi e, no ano seguinte, fez parte do grupo de Paulo Moura, com quem participou de uma turnê de shows pela Europa. Em 1979, integrou o grupo de Márcio Montarroyos, ao lado de Alfredo Dias Gomes (bateria), Ricardo Silveira (guitarra), Vitor Biglione (guitarra) e Marcos Silva (teclados).

De 1983 a 1987, juntamente com Guilherme Dias Gomes (trompete), Renato Franco (saxofone), Heitor T.P. (guitarra) e Paulo Braga (bateria), fez parte da parte da Banda “Famiglia”, com a qual acompanhou Ivan Lins em shows no Brasil, Estados Unidos e Europa, com destaque para o Rock in Rio I e o Festival de Montreux, onde também tocou com Beth Carvalho.

Ainda na década de 80, o artista iniciou um de seus principais trabalhos, a banda “Swing Mania”. Junto a Raimundo Luís, Marcio Bahia, Carlos Poubel, Renato Franco e Carlos Malta, o baixista fundou o grupo instrumental especialmente para se apresentar em um grande evento patrocinado por uma empresa de Niterói à época, nas areias da praia de Icaraí. Mesmo tendo durado apenas três anos, o repertório do conjunto era centrado nos trabalhos das bandas e nomes de jazz mais famosos do momento, o que permitiu aos músicos o prazer de executar no palco aquilo que mais os impressionava. Outro grande trabalho de Mazinho foi junto a Ivan Lins, quando coproduziu o álbum "Mãos", do cantor, pelo qual recebeu o "Disco de Ouro", em 1986. A parceria entre os dois não acabou por aí, já que o baixista gravou outros três álbuns ao lado do artista: "Ivan Lins e a Famiglia", "Encuentro" (ao vivo em Buenos Aires) e "Two Knights and a Lady" (ao vivo em Los Angeles).

A partir de 1987, começou a trabalhar também com produção musical, criação e produção de jingles e peças publicitárias, tendo sido contemplado, em 1996, com o Prêmio Colunistas, na categoria Educacional. Em 1988, apresentou-se em Paris, com Rosinha de Valença e Zé Neto e, entre 1990 e 1994, acompanhou o cantor Emílio Santiago em shows pelo Brasil, Estados Unidos e Europa, e a cantora Rosa Marya Colin, entre 1995 e 1998.

Em 1999, começou a ministrar aulas de baixo elétrico e a atuar também na área de masterização digital e, a partir de 2000, acompanhou Marcos Valle e Roberto Menescal em shows pelo Brasil. Em 2002, atuou com João Donato, Wanda Sá e Marcos Valle no Festival de Montreux, seguindo para apresentação em Moscou.

O primeiro álbum solo do músico veio em 2002. "Ventura", lançado pelo Selo Niterói Discos, numa produção de Paulinho Guitarra e Sérgio Senna, é um trabalho quase todo autoral. No repertório, influências diversas, como pop, rock, funk, blues, soul, jazz, entre outros. O CD conta com a participação de excelentes músicos, entre eles Marcos Nimrichter (teclados), Paulinho Guitarra (guitarra), Jessé Sadoc (trompete), Zé Canuto (saxofone), Wallace Cardia (bateria) e Carlos Poubel (percussão).

Ainda nos anos 2000, Mazinho se apresentou com frequência no tradicional Bar São Dom Dom, em Niterói, participando das segundas-feiras instrumentais daquele local. Durante nove anos, interpretou um repertório de Jazz e Bossa Nova, sempre ao lado de músicos como Arthur Maia, Dino Rangel e Chico Chagas. Em 2005, participou juntamente com Léo Gandelman do show de Dino Rangel no II Niterói Musifest Instrumental.

Em 2012, o músico lançou o CD “Swing Mania - Instrumenetal Combo”, um projeto de Luiz Fernando Grilo, Mazinho Ventura e Carlos Poubel, também pelo Selo Niterói Discos, que marca o reencontro de velhos amigos músicos que nunca se perderam de vista e que, quase sempre, estão tocando juntos em alguma banda, mas há 30 anos não tocavam os temas musicais escolhidos para o repertório. O trabalho é uma homenagem a músicos como Toninho Costa, Sérgio Cleto, Guilherme Rodrigues, Cristina Ventura, Mauro Gordo e Samuel 'Samuca', que tocaram na banda “Swing Mania” em seus três anos de duração, todos em início de carreira, procurando seus caminhos entre os anos 70 e 80.

Mazinho Ventura participou anualmente de tours com o compositor Marcos Valle pelo Brasil, Europa e pela Ásia. Tocou também em temporadas na Europa com o guitarrista Dino Rangel, em festivais e clubes de jazz. O músico seguiu sua carreira apresentando o melhor do baixo para diversos públicos.






Publicado em 05/11/2013
Museu Antônio Parreiras