Clique para ampliar
Poesia urbana e espiritual que transcende o rótulo e transborda em uma fusão de reggae e elementos do dub, rap, mpb, ragga e livres experimentalismos. Esta é a fórmula de Andreia Dacal, cantora, poetisa, skatista, geógrafa e jornalista cultural, nascida em Niterói, que iniciou sua carreira artística em 1996, apresentando-se em bares e eventos universitários da cidade. Frequentou a Escola de Música Villa-Lobos, obtendo lá parte de sua formação musical. Em 1997, integrava o grupo de reggae Seda Fina como backing vocal. A cantora também comandava, na época, a banda Camaleões que participou de diversos concursos e festivais locais.

Andreia atuou em inúmeras frentes de trabalho para a disseminação da produção musical underground na cidade, a partir do fim dos anos 90. No skateboard atuou como atleta e produtora de circuitos de skate, na mídia especializada, escrevendo para portais do gênero.

Clique para ampliar

Em 2000, passou a integrar a banda Mega Cosmos, que se apresentou com Black Alien, Nação Zumbi e Moreno Veloso, entre outros. Já em carreira solo, Andreia exibiu seu trabalho no projeto MPB em São Domingos, iniciativa da Secretaria de Cultura de Niterói.

Com orientação e movimentação totalmente independente, criatividade e bom uso das ferramentas gratuitas para difusão de obra artística na rede, somada a colaboração de uma gama de parceiros musicais experientes e talentosos, sintonizados a sua arte, Andreia consegue firmar identidade e personalidade de forma original à sua obra. Sua musica é reflexo de sua personalidade espontânea e versátil, com letras e poética que sintetizam suas experiencias, andanças, reflexões criticas, existenciais, pesquisas, paisagens e desafios desbravados por sua essência inquieta.

Clique para ampliar
"Sempre fui sensível e interessada em música. Na adolescência já pesquisava, conversava e trocava muita informação e som com os colegas de escola. Procurava ouvir tudo que despertava e aguçava minha curiosidade. Música e manifestações artísticas de conteúdo revolucionário, sempre me despertaram um interesse maior. O conjunto de música, letra e atitude me conquistou. Tive acesso ao reggae, de forma mais profunda, aos 14 anos, conhecendo a obra de Bob Marley. Mergulhei com interesse e profunda identificação com o ritmo, proposta e mensagens. Acompanhei e dediquei maior atenção a esta cultura musical. Foi um divisor de águas. A identificação com o universo mítico, filosico e cultural foi fulminante."

Clique para ampliar
Começou a lançar as músicas de seu primeiro álbum na rede, "Caos Roots Controle", em 2005 através do Myspace, sendo oficialmente lançado em 2007. O álbum desde o começo atraiu atenção e novas parcerias para além das fronteiras brasileiras.

Afirmativa, seu segundo trabalho, foi produzido por Dacal em parceria com 7 produtores musicais, tendo ainda a participação de 3 M'cs convidados que dividem o microfone e o peso das idéias. O disco, lançado pelo disputado netlabel francês "Fresh Poulp" , especializado em música urbana, abriu caminhos para a primeira tour internacional.

Participou do Festival de Mídia Digital na França (LES RMLL 2010 - France) representando o Brasil, convidada por organizações locais associadas (Dogmazic / Fresh Poulp Records) a Creative Commons Internacional. Participou de pequenas apresentações em outras cidades da França, como Paris, Compiegn e ainda em Leuven (Bélgica) e Marrakesh (Marroco)s) onde fechou a turnê de 15 dias de atuação multicultural em grande festival em praça pública para mais de 10 mil pessoas no centro de Marrakesh.

Clique para ampliar
Em 2011, lançou o seu terceiro álbum, "Paradoxos", pelo mesmo selo e com produção musical dos franceses Guitoud e Rafiralfiro. Mesclando o clássico dub cantado de forma falada, com rimas conscientes e ritmos experimentais, o álbum concorreu como indicado a melhor disco Reggae, pela equipe da Revista Dynamite.

Em fevereiro de 2012, Andreia representou o Brasil no Festival Literário "Rota das Letras" em Macau / China, onde apresentou o show com repertorio que compreende músicas de todos os seus álbuns.


Clique para ampliar





Publicado em 10/05/2013
Museu Antônio Parreiras