Artista paraibano cria instalações utilizando móveis usados em antigas repartições públicas, encontradas em leilões ou abandonadas pelos donos.

Incertae Sedis, termo científico usado para nomear um fóssil que tem "classificação incerta", é o nome da escultura que dá nome à exposição do artista paraibano José Rufino, que o MAC (Museu de Arte Contemporânea) Niterói apresenta a partir de sábado, 15 de outubro de 2005. Na mostra, que tem curadoria de Claudia Saldanha e Guilherme Vergara, Rufino utiliza móveis usados em antigas repartições públicas, encontrados em leilões ou abandonados. A mostra fica em cartaz até 5 de março de 2006.

Um dos destaques da exposição é a instalação 'Plasmatio', constituída de cinco conjuntos de móveis e monotipias, feitas sobre manuscritos, cartas e bilhetes de desaparecidos políticos que o artista coletou pelo Brasil. A instalação conta com acréscimos feitos pelo artista a partir de móveis e documentos buscados em Niterói.

Já a 'Sudoratio' foi recriada pelo artista especialmente para o MAC Niterói. Nela, são vistas malas usadas de madeira, em vários formatos, cercadas por bolhas de gesso branco, como imensas gotas de suor ou lágrimas.

As obras com a terminação "atio" formam um conjunto que para o artista é como a eliminação de expurgos orgânicos, "uma forma de materializar as sensações do corpo". Para complementar 'Sudoratio', Jose Rufino percorreu galpões e lojas em Niterói para adquirir malas usadas.


O Artista

No fim da década de 1970, José Augusto Costa de Almeida Rufino frequentou cursos de extensão na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Inicia sua produção artística na década de 1980. Muda-se, em 1983, para o Recife, onde tem contato com artistas e poetas ligados à arte postal e à poesia visual, entre eles Paulo Bruscky (1949). Gradua-se em geologia na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Em suas obras, utiliza materiais relacionados à história de sua família, como documentos, cartas, escrivaninhas e cadeiras, que aparecem em suas instalações, objetos e desenhos. Recebe o primeiro prêmio no Concurso do Cartaz da Semana da Biblioteca, realizado no Recife, em 1988. Conquista menção honrosa do Projeto Nascente, da Universidade de São Paulo (USP), em 1991, e, no ano seguinte, recebe primeiro prêmio na segunda edição desse projeto.

No mesmo dia, o MAC inaugura no primeiro andar a exposição 'Por que Museu?', de Nelson Leirner. São mais de vinte instalações, a maior parte integrante da grande mostra 94 + 10, realizada em São Paulo ano passado, em comemoração aos dez anos da retrospectiva do artista. Serão expostos ainda quatro trabalhos inéditos.





Serviço

"Incertae Sedis", de José Rufino
Curadoria: Claudia Saldanha e Guilherme Vergara
Local: Mezanino
Abertura: 15 de outubro de 2005
Visitação: 15 de outubro de 2005 a 5 de março de 2006

Museu de Arte Contemporânea - MAC
Endereço: Mirante da Boa Viagem, s/n – Niterói RJ
Informações: 21 2620 2400 / 2620 2481


Tags:






Publicado em 03/08/2016

MAC apresenta 'Cinco convites a um levante', de Alex Frechette De 02 de março a 12 de maio de 2024
MAC como Obra de Arte ENCERRADA
Ocupações/Descobrimentos Antonio Manuel e Artur Barrio ENCERRADA
Arte Contemporânea Brasileira Coleções João Sattamini e MAC de Niterói ENCERRADA
Detalhes e iluminação que fazem a diferença no trabalho de Magno Mesquita Leia mais ...
No MAC Niterói, "Visões e (sub)versões - Cada olhar uma história" ENCERRADA
Estratégia: Jogos Concretos e Neoconcretos ENCERRADA
Exposição "A Caminho de Niterói", no Paço Imperial ENCERRADA
Exposição '!Mirabolante Miró!' no MAC Niterói ENCERRADA