Em novembro de 2004, Elida Tessler inaugura o terceiro projeto especial do ano, inspirado pelo desafio e potência deste lugar orgânico, de onde se ouve o mar. Elida toma partido da tensão entre cultura e natureza para unir as poéticas do infinito ao “horizonte provável”, de provas (sabor e teste) com pratos de verbos e de probabilidades. A exposição ficará em carataz até fevereiro de 2005.

Através de uma série de desconstruções do livro A arte no horizonte do provável, de Haroldo de Campos –, desfiando linha por linha, em uma única bobina metrifica o texto, ao mesmo tempo unindo a cópia do seu volume original com suas notas de leituras, página por página, transformando em rolo contínuo que se estende pelas paredes da varanda, literalmente abraçando o museu para um leitor móvel. A varanda é tomada por um abraço e caminho poético dentro de um território de limite suspenso do museu, entre o dentro e o fora, entre arquitetura, geografia e literatura.

Este é o caso da potência múltipla da instalação de Elida, “uma instauração literal de um horizonte provável”, que entrelaça duas grandes obras: a literatura de Haroldo de Campos e a arquitetura de Niemeyer, que poderia receber o mesmo nome. Elida toma toda a circularidade do museu, assim como Niemeyer modelou o seu edifício diante do grande círculo da baía de Guanabara, e faz do MAC um recipiente maior para seu salto poético, um vôo literal da literatura para a arquitetura, e daí para a construção de um novo litoral feito de um colar de pratos brancos impressos com verbos no infinitivo, retirados do horizonte literário de Haroldo.

Essa coleção de experiências de projetos especiais para a varanda nos deu bases para invertermos a abordagem sobre a adversidade da arquitetura do MAC. É justamente a partir dela que se dá o desafio-limite do museu para o artista – mas este, por sua vez, o repassa ao público, pois coloca todos diante de uma fronteira aberta entre a arte e o desejo de fuga para a paisagem protegida.

A varanda é um entre-lugares – onde se dá o injusto confronto com a atração para fora do museu, do vôo da vista para o “ruído branco” do mar. Por isso, este é também um território de provação e provável redenção poética da arte para a existência, ainda que dentro do museu. Ao artista cabe o papel de despertar novos olhares, cativar o visitante para a leitura, descolar o passageiro do trânsito, desatento aos diferentes chamados da autopoiesis na nossa nave, no mundo hoje.



"Horizonte Provável segue o rumor de uma linha que contorna o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, em seu edifício circular, agora tomado por mim como um recipiente para falas inacabadas. O seu formato, que a muitos sugere um disco voador, para mim evoca um grande cálice, onde fluidos de pensamentos e imagens vêm configurar-se como um conteúdo precioso, incluindo o desenho constelar realizado pelos visitantes que ali depositam seu olhar.

Meu trabalho nasce desta perspectiva de interseção entre as paisagens externa e interna do Museu, com a intenção de criar uma espécie de borda branca entre o que é litoral e o que é literatura. O trabalho toma o espaço da varanda como um site-specific, absorvendo todos os elementos da arquitetura ali presentes, mas sobretudo a bancada que serve, muitas vezes, como lugar privilegiado de contemplação, onde o corpo do espectador pode encontrar o conforto necessário para mirar os intermináveis espaços, de um lado e outro da transparência do vidro do perímetro de fachada, colocando-se também na mira dos processos artísticos abertos, convergindo para o conceito de infinitude, tão acoplado ao da criação artística.
Elida Tessler





A proposta da Elida para a varanda dá ressonância poética à infinitude circular do MAC, com anéis concêntricos, Horizonte Provável. Tanto pelo seu processo de criação, falas inacabadas - continuas, quanto pela sua homenagem a Haroldo de Campos, na escolha específica da obra A arte no horizonte do provável, este trabalho amplia o universo de abrangência conceitual da mostra Poéticas do Infinito. Fiando e desfiando, capturando pontos de interseção entre vida e arte, geografia e literatura, assim é a poética infinita da Elida Tessler. Daí serem sempre continuas falas inacabadas em cumplicidade com o destino. Feitas de viagens e encontros, entrelaçam diferentes formas de expressão com apropriações do acaso, deslocamentos e ocupações.

O projeto nasceu inspirado pelo desafio e potência deste lugar especial do MAC, a varanda, onde se ouve o mar. Elida toma partido desta tensão entre cultura e natureza para transformar em horizonte provável, de provas (sabor e teste) e de probabilidades (esperança de transformação), este território de limite suspenso do museu, entre o dentro e a fora, entre arquitetura, geografia e literatura. A própria trajetória profissional da Elida vem sendo caracterizada pela intervenção artística que se nutre do jogo de contaminações reciprocas entre o sentido do lugar, e os seus saberes, que não separam geografia da arquitetura.

Assim, Elida desconstrói a ordem natural dos sistemas de percepções desgastadas entre coisas e significados pela concepção de situações inusitadas, buscando desconfigurar inter-relações adormecidas, que já passam despercebidas no dia-a-dia, através de deslocamentos que transfiguram por estranhamento o impacto dos lugares comuns. Elida é movida pela crença na possibilidade de emergência de um instante poético, como campo de novas ordens de percepção do mundo. Este é o caso da potência múltipla desta instalação, "uma instauração literal de um horizonte provável (de esperança poética)".

Na ocupação da varanda pela Elida, sua obra se entrelaça com duas grandes obras: da literatura de Haroldo de Campos, A Arte no horizonte do provável, e a arquitetura de Niemeyer, que mereceria também o mesmo nome. Elida toma toda a circularidade do museu, assim como Niemeyer diante do grande círculo da Baía de Guanabara, e faz dela um recipiente maior para seu salto poético, um voo literal da literatura para a arquitetura, e daí para a construção de um novo litoral feito de um colar de pratos brancos impressos com verbos no infinitivo, retirados do horizonte literário de Haroldo.

Com as palavras livres do livro, Elida emancipa os verbos para a sua potência infinita, os pratos vazios se tornam também recipientes de pensamentos sementes para ações - gerúndios, como páginas de um livro redondo soltas sobre o mar, circundando o museu. Surge um outro horizonte suspenso para um leitor caminhante no limite entre o museu e a paisagem, um livro desfiado como um tempo que inventa o espaço. O visitante é convidado a caminhar lendo (dando gerúndios aos verbos do infinito), seguindo a conquista de uma curvatura arquitetônica sobre o mar, em horizontes de expansão e imaginação. O viajante anónimo sobrevoa o litoral de palavras no horizonte, o infinito se toma próximo e provável.
Luiz Guilherme Vergara



SERVIÇO

'Horizonte provável', de Elida Tessler
Curadoria: Luiz Guilherme Vergara e Elida Tessler
Período: 04 de dezembro de 2004 a 27 de fevereiro de 2005

Local: MAC-Niterói
Endereço: Mirante da Boa Viagem, s/nº
Tel: (21) 2620-2400



Tags:






Publicado em 16/04/2021

MAC apresenta 'Cinco convites a um levante', de Alex Frechette De 02 de março a 12 de maio de 2024
MAC como Obra de Arte ENCERRADA
Ocupações/Descobrimentos Antonio Manuel e Artur Barrio ENCERRADA
Arte Contemporânea Brasileira Coleções João Sattamini e MAC de Niterói ENCERRADA
Detalhes e iluminação que fazem a diferença no trabalho de Magno Mesquita Leia mais ...
No MAC Niterói, "Visões e (sub)versões - Cada olhar uma história" ENCERRADA
Estratégia: Jogos Concretos e Neoconcretos ENCERRADA
Exposição "A Caminho de Niterói", no Paço Imperial ENCERRADA
Exposição '!Mirabolante Miró!' no MAC Niterói ENCERRADA