(Memória, 18 de outubro de 1987)

O Solar do Jambeiro, em Niterói, é um dos raros exemplos da arquitetura urbana da segunda metade do século XIX

O muro alto impede que os mais curiosos desvendem o mistério da casa centenária, quase escondida pelas árvores, com azulejos portugueses da segunda metade do século XIX revestindo a fachada e telhões de louça enfeitando os beirais.

O magnífico salão de estar tem lustres franceses, móveis dinamarqueses e ingleses
Conhecida como Solar do Jambeiro, a mansão é a maior atração do bairro de São Domingos, em Niterói, com seus 8 mil metros quadrados. O casal Hugo Einer Georg Egon Falkenberg e Lúcia Falkenberg vivem no Solar há cinco anos. "Ela foi tombada pelo Património Histórico e Artístico Nacional há 13 anos" conta Lúcia. "Mas, como não temos infraestrutura de pessoal, ainda não podemos abrir os salões para a visitação pública."

Assim, para conhecer 20 cómodos do casarão, com quatro magníficos salões decorados com móveis e objetos de arte ingleses, franceses, dinamarqueses, portugueses e brasileiros - é preciso conseguir um convite para assistir a um dos eventos culturais organizados periodicamente pela dona da casa. Há um ano e meio ela fundou o Colégio Fluminense de Cultura e Património Pró-Niterói, uma sociedade sem fins lucrativos, exatamente para desenvolver uma variada programação, que terá no dia 19 a abertura da exposição de 100 quadros do pintor Antonio Parreiras, que fez sua primeira individual no Solar, há 100 anos-, patrocina da pelo Moinho Fluminense.

O imponente portal da sala de estar da mansão de 1872, é toda em madeira rendilhada
"Para morar numa casa tão antiga como essa, é preciso ter interesse pela preservação" - reconhece Lúcia. "Nós usamos todos os cômodos, mas mantemos a decoração intacta e, para isso, temos apenas oito empregados fiéis".

São eles que mantêm a sala de visitas, o hall a sala de jantar e a imensa sala de estar impecáveis. O Solar foi construído em 1872 por Bento Joaquim Alves Pereira, um português que nunca chegou a residir na casa. O médico Júlio de Magalhães Calvet foi o primeiro morador: depois o pintor António Parreiras usou a casa e, em 1892, o diplomata dinamarquês George Christian Bartholdy comprou a mansão para a família. Foi com Bartholdy que o solar ganhou a decoração suntuosa que seus descendentes mantêm até hoje.

As viagens frequentes do diplomata Bartholdy fizeram com que o Solar do Jambeiro fosse alugado diversas vezes. Durante seis anos, ele abrigou a sede do Clube Internacional de Niterói e foi palco de concertos, conferências e algumas exposições, como a do pintor português José Maria Malhoa, que fez muito sucesso em 1906. Foi ainda ocupado pelo Colégio das Irmãs Dorotéias, que funcionou ali de 1909 a 1915. Só a partir de 1916 é que a família Bartholdy ocupou o solar definitivamente como residência.

Tudo no Solar funciona como no início do século. Não há máquina de lavar, mas um tanque de pedra com a caixa d'água embutida, usado pela família; ferros de engomar antigos substituem satisfatoriamente o ferro elétrico e nunca foi preciso instalar ar condicionado, porque a circulação da casa é perfeita: em todos os ambientes há sempre uma brisa refrescante.


O Solar tem quintal e pomar. Lúcia Falkenberg quer abrir a casa à comunidade


Hugo e Lúcia Falkenberg têm quatro filhos e sete netos, mas todos moram em São Paulo e só se hospedam no solar nas férias. "Mas, para que a casa seja definitivamente aberta ao público, precisaria de apoio do governo ou dos empresários para arcar com os ônus da infraestrutura e manutenção", afirma Lúcia, uma das criadoras do Museu Geográfico Guarujá Bertioga, membro do conselho do Patrimônio Histórico e Artístico de São Paulo e do Conselho Municipal de Cultura de Niterói.

Atuante há mais de 30 anos na área de cultura, ela gostaria que a casa onde vive virasse uma fundação para ser usufruída pela comunidade.

Por Lúcia Rito, para o Caderno Casa e Decoração do Jornal do Brasil.

PS: Em carta enviada ao jornal, e publicada em 24/11/87, o historiador Emmanuel de Macedo Soares informa que o pintor Antonio Parreiras já havia realizado exposições individuais antes desta citada de 1887, na Casa da rua Presidente Domiciano onde morou até sua temporada na Itália. Segundo Emmanuel, a primeira mostra do pintor foi realizada em 1883, na casa da rua Santa Rosa, onde morava com sua mãe.





Publicado em 04/05/2021
Solar do Jambeiro apresenta 9° ciclo de leituras dramatizadas Quinta, 30 de junho
"Brinque Lendo" acontece no jardim do Solar do Jambeiro Sábado, 02 de Julho
Solar do Jambeiro recebe um "Piquenique Literário" Domingo, 03 de Julho