(Memória, 09 de outubro de 1988)

O Solar do Jambeiro reabre em novembro para pequenos eventos

Em novembro, o Solar do Jambeiro reabre os seus pesados portões para o público. Está não é uma noticia qualquer. Com ele, Niterói volta a contar com um espaço cultural importante e, acima de tudo, especial. O lugar é uma antiga residência que conserva-se como era quando foi construída em 1872.

Ao atravessar seus portões, o niteroiense mergulhará no sonho de sentir-se em pleno século XX, como um morador de uma típica casa brasileira do século passado. Na reabertura, o centenário casarão abrigará apenas pequenos eventos culturais e visitas previamente marcadas. Dona Lúcia Falkenberg, herdeira e administradora do Solar, não quer se surpreender com gastos extras, além do Ca$ 1 milhão destinados mensalmente à manutenção da casa. "Está cada vez mais difícil mantê-lo. A tendência é o governo assumir o Solar e transformá-lo numa fundação", prevê Dona Lúcia.

Dona Lúcia luta contra os custos de manutenção cada vez mais elevados
O Solar foi erguido por um rico comerciante português que nem chegou a concluir a construção e o vendeu para o adido cultural da Dinamarca, George Bartholdy. O adido dinamarquês soube preservar o estilo português do ambiente, com seus móveis à Dona Maria I e à Dom João VI. Mas também deu toques próprios, importando móveis ingleses, franceses e dinamarqueses. O mobiliário se configurou um tanto eclético, mas isto não impediu que relógios franceses e poltronas inglesas convivessem harmonicamente com um roupeiro dinamarquês do século 17 e peças genuinamente brasileiras.

O médico brasileiro Egon Falkenberg, neto de George Bartholdy, herdou de sua mãe o Solar, mas como morador de São Paulo, limitou-se a utilizá-lo como residência nas esporádicas viagens que fazia a Niterói. Sua esposa, Lúcia Falkenberg, não se conformava em ver 8.000 metros quadrados de história entregues às moscas. Assim, em 1984 decidiu transformar o Solar do Jambeiro numa morada permanente da arte.

"A cidade carece de espaços como este e não é justo mantê-lo privativo da minha família", diz Dona Lúcia. Decidida, aliou-se a pessoas preocupadas com a cultura de Niterói, como a diretora do Museu da Imagem e do Som, Maria Eugênia Stein, e João Luís Vieira, do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Juntos fundaram o Colégio Fluminense de Cultura e Património - Pró-Niterói -, com o objetivo de promover eventos culturais no Solar. O dormitório transformou-se na Sala Antonio Parreira, em homenagem ao pintor que, em 1887, hospedou-se ali. A sala é destinada às exposições de quadros e de artesanato que enfoquem exclusivamente a arte brasileira.





Publicado em 04/05/2021
Solar do Jambeiro apresenta 9° ciclo de leituras dramatizadas Quinta, 30 de junho
"Brinque Lendo" acontece no jardim do Solar do Jambeiro Sábado, 02 de Julho
Solar do Jambeiro recebe um "Piquenique Literário" Domingo, 03 de Julho