(Memória, 3 de dezembro de 1988) Um dos últimos lugares que ainda preserva a fauna e a flora característica do Brasil, considerado por paisagistas e arquitetos como um "paraíso ecológico", vai ser leiloado segunda-feira. É o Solar do Jambeiro, localizado na Rua Presidente Domiciano, 195, São Domingos, que ate hoje conserva sua arquitetura urbana da segunda metade do século XIX. Construído em 1872, a atual proprietária, Lúcia Falkenberg, explicou que não consegue mais administrar e manter financeiramente os oito mil metros quadrados do espaço, onde predomina o verde e, onde se encontram árvores seculares e exóticas.

Tombado pela Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan) em 1974, a casa e o terreno terão o lance inicial de Cz$ 750 milhões, sendo que os objetos do interior serão leiloados em separado.

Segundo a proprietária, o imóvel só será vendido a quem tiver intenções de continuar preservá-lo e jamais a uma pessoa ou grupo com interesses especulativos". Caso não consiga vender a propriedade, Lúcia Falkenberg pretende transformar o local num museu aberto à população.

Jamais me desligaria desse patrimônio sabendo que ele correria risco de ser destruído ou de perder suas características seculares. Se a venda não for efetuada, farei uma transformação, de casa de família para uma empresa, e, dessa forma, permitir a visitação pública. Já tentei isso antes, mas não obtive respaldo do governo e, sozinha, não poderia criar toda a infraestrutura necessária, como vigilância adequada e a preservação, para evitar a depredação. A única saída seria formar grupos que administrassem e arcassem com as despesas explicou.

O Solar do Jambeiro apresenta fachadas revestidas de azulejos portugueses de padrão, beirais construídos com louça, janelas em folhas de vidro, além de um jardim onde são cultivadas orquídeas, gardênias e árvores centenárias, como o jambeiro, também tombado pelo patrimônio. Várias espécies de pássaros e outros animais, como tatu e gambá por exemplo, também compõem a natureza local. Na opinião do paisagista Jorge Circhyno, da Faculdade de Arquitetura da UFF, o espaço representa um resgate do cenário do Pais.

"Essa área conseguiu sobreviver à especulação imobiliária e as as edificações que tomam o os grandes centros urbanos. Além disso, o solar revela uma forma de vida que os moradores da cidade não estão acostumados a conviver. Isso sem falar na vegetação como um elemento mediador entre a cidade, com seu desenvolvimento tecnológico, e a natureza, com a paz e a tranquilidade necessárias à própria sobrevivência do ser humano. O jardim é uma verdadeira riqueza, com alguns elementos que estão desaparecidos da composição da flora atual do Pais, como a "Clúsia Grandeflora", contou o paisagista.

A professora Valéria Salgueiro, também da Faculdade de Arquitetura da UFF, ressaltou a importância do Solar do Jambeiro para a própria comunidade local. De acordo com ela, a área faz parte da história do Brasil e conserva toda a arquitetura da época, possuindo também um valor documental. A abertura do Solar à visitação publica agrada a professora que vê nessa atitude uma forma de a comunidade conhecer e, então, entender o motivo da necessidade de preservá-lo.

O primeiro proprietário do Solar, que também foi responsável por sua construção, o português Bento Joaquim Alves Pereira, nunca chegou a morar na casa, vendendo o imóvel, em 1892, por 50 contos de réis, ao diplomata dinamarquês Georg Christian Bartholdy. Os seus 20 cômodos, a família Bartholdy se encarregou de mobiliar com móveis e objetos nacionais e estrangeiros, que vem sendo cuidados em seus mínimos detalhes, até hoje.

As longas ausências de Georg Bartholdy levou o proprietário a alugar o imóvel diversas vezes a expressivas instituições. Em 1903, o Clube Internacional instalou-se no Solar e realizou diversos bailes. A casa também foi ocupada, anos depois, por um colégio de Irmãs Doroteias, até 1915 e, só no ano seguinte, os Bartholdy passaram a ocupar a residência. Com a morte do antigo proprietário,, em 1946, o Solar passou para a filha Vera Fabiana Bartholdy Gad, que viveu até sua morte, em 16 de janeiro de 1975.

Um ano antes, apoiada pela nora, Lúcia Falkenberg, Vera Bartholdy conseguiu o tombamento da casa e seu parque pelo Sphan. Para Lúcia Falkenberg, responsável pela criação do Museu Histórico e Geográfico Guarujá-Bertioga e membro do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico e Artístico de São Paulo, a casa é uma raridade e deve ser sempre preservada. O Solar nunca passou por uma reforma, a não ser na parte elétrica e nos encanamentos, e conserva toda a mobília original.

A decoração do interior, composta por quadros valiosos, relógios de parede, lustres de cristal francês, tapetes, candelabros, espelhos, vários aparelhos de jantar, uma coleção de 2.500 peças de barro, móveis e até um oratório baiano que, segundo a proprietária, é mais antigo que a casa, reúne, além dos objetos de valor, um pouco da história do Brasil, misturando estilos arquitetônicos, como é o caso dos azulejos portugueses e dos portais árabes.

Cenários das filmagens de documentários e da minissérie "O Primo Basílio", apresentada recentemente pela Rede Globo, o Solar recebe diariamente a visita de personalidades da cultura e estudiosos ingleses, alemães e suíços, curiosos em conhecer as belezas da propriedade. Lúcia Falkenberg revelou que já existem interessados em adquirir a casa e o terreno e que recebe, diariamente, propostas de empresários desejosos em transformar o local em restaurante ou casas comerciais. "Só venderei o Solar do Jambeiro a quem prometer dar continuidade ao trabalho de preservação. Já vai ser difícil me separar dessa casa e seria pior ainda vê-la destruída", concluiu.





Publicado em 07/05/2021
Solar do Jambeiro apresenta 9° ciclo de leituras dramatizadas Quinta, 30 de junho
"Brinque Lendo" acontece no jardim do Solar do Jambeiro Sábado, 02 de Julho
Solar do Jambeiro recebe um "Piquenique Literário" Domingo, 03 de Julho