Cronologia do Teatro João Caetano

1827 – Funcionava no local uma pequena casa de espetáculos administrada pela Sociedade Filodramática da Praia Grande, depois denominada Sociedade Filodramática.

1833 – Estreia da Companhia Nacional Dramática, da qual fazia parte João Caetano dos Santos. Alguns historiadores garantem que o evento marca o nascimento do teatro brasileiro – até então todas as companhias que representavam no país eram estrangeiras.

1834 – A casa de espetáculos, que pertencia a José Francisco Furtado de Mendonça, foi vendida neste ano para Joaquim Antônio Corra, um dos fundadores da Sociedade Filodramática de Niterói.

1842 – O ator, diretor e empresário João Caetano adquire o teatro a título de concessão e o transforma em Teatro Santa Tereza, homenageando a futura imperatriz que ainda não havia chegado ao Brasil. Promoveu algumas reformas e , três meses depois, em 25 de dezembro, inaugurou-se com a comédia “As Memórias do Diabo”.

1843 – Em junho é realizada a segunda reforma sob o comando do engenheiro Carlos Carçon Riviére. Deram mais importância à fachada e cresceu nas varandas laterais. O imperador ganha um camarote de honra.

1863 – Morre João Caetano. A viúva não quis prosseguir com o encargo de manter a concessão do teatro.

1875 – Depois da morte de João Caetano, o teatro ficou abandonado. Algumas tentativas de conservação foram pensadas, até que o maestro italiano Felício (Felice) Tati, radicado em Niterói, se interessou pela tarefa.

1878 – Começam as obras, segundo projeto do engenheiro Ernesto Barrador. Os recursos não foram suficientes para a conclusão dos trabalhos. Levantaram empréstimos junto ao Governo e à iniciativa privada.

1884 – Em agosto, o teatro foi reinaugurado com a presença do imperador e da imperatriz. Destaca-se nesta época a execução do pano de boca, com uma passagem da Praia de Icaraí, pintada por Antônio Parreiras.

1889 – Novas obras apoiadas pelo Deputado Luiz Carlos Fróes da Cruz, pai de Leopoldo Fróes. A reforma durou de fevereiro a julho de 1889, com a inauguração solene na noite de 31 de julho.

1885 – Leiloado pelo Governo da Província, o prédio foi adquirido pela Câmara Municipal da cidade.

1900 – A Câmara altera a denominação do teatro para Theatro Municipal João Caetano.

1903 – Outras reformas são realizadas pelo arquiteto Gelice Antônio Miragle auxiliado por Ludovico Berna, o responsávle pelo projeto.

1904 – Reinauguração do teatro com a apresentação de um busto de João Caetano, escultura de Benevenuto Berna.

1923 – Pequenas obras de recuperação

1935 – Reformas para a comemoração da elevação de Niterói à categoria de Município.

1950 – Princípio de incêndio após a solenidade de formatura dos alunos da Faculdade de Filosofia.

1952 – O prefeito Daniel Paz de Almeida promoveu melhoramentos, dentre os quais, a instalação de um palco giratório.

1955/1960/1965/1973/1976 – Reformas parciais

1956 - Criação da Comissão Artística e Cultural

1977 – Reformas profundas em todas as dependências do prédio

1990 – Tombamento pelo INEPAC

1991 – Início da restauração pela Prefeitura Municipal de Niterói

1994 – Prêmio Rodrigo Mello Franco de Andrade –IAB-RJ

O Theatro Municipal João Caetano necessitava de uma completa restauração, para a recuperação de sua riqueza arquitetônica, que por milagre lhe restaram.

Os governos de Jorge Roberto Silveira e João Sampaio confiaram a tarefa desta retauração ao pintor e restaurador Cláudio Valério Teixeira.

O Theatro passou por uma das mais profundas restaurações de que se tem notícia na história do patrimônio cultural brasileiro, tendo sido premiado pelo Instituto Arquitetos do Brasil, em 1994. O passado da casa foi respeitado, conservado, reerguido graças a um trabalho minucioso, científico e detalhista feita pelos restauradores e arquitetos.

Reinaugurando no dia 19 de dezembro de 1995.







Publicado em 10/06/2013

Ballet Claudia Araujo completa 50 anos de história Terça e quarta, 18 e 19 de junho
Theatro Municipal convida para homenagem a Caetano Veloso Sexta-feira, 21 de junho
Lucas Toledo leva sua mágica para o Theatro Municipal Sábado e domingo, 22 e 23
Ópera de Henrique Oswald entra em cartaz no Municipal Quinta e sexta, 27 e 28 junho
Festival Lírico de Niterói homenageia Marina Considera Quarta-feira, 29 de junho
Coletivo Plural apresenta mostra "Verso e Reverso" na Sala Carlos Couto De 02 de maio a 02 de julho
Com fotos de Magno Mesquita, Niterói é tema de mostra na Carlos Couto Leia mais ...
Lenda 'Itapuca' no palco do Teatro Municipal João Caetano Leia mais ...
Clube Dramático Assis Pacheco estreia no Theatro Municipal Leia mais ...