Aparições e ruídos intrigam no Teatro Municipal e Solar do Jambeiro. Algumas histórias foram se acumulando, mistérios surgiram e, até hoje, sobrevivem ao tempo

Barulhos na janela, passos no assoalho, aparições inexplicáveis. O Teatro Municipal de Niterói, no Centro, tem algumas histórias que intrigam. Funcionários da casa já passaram por situações assombrosas e garantem: dá medo.

A fachada do Teatro Municipal Foto: Marcio Oliveira.
Algumas histórias foram se acumulando, mistérios surgiram e, até hoje, sobrevivem ao tempo. Há 18 anos como camareira do Municipal, Sônia Loureiro, conhecida como Soninha, garante que ainda não viu nada, mas tem boas histórias para contar.

"Já houve duas ocasiões em que precisei dormir aqui. Nunca vi nada, graças a Deus, mas conheço pessoas que viram. Uma vez, um segurança foi subir a escada que dá acesso ao palco e viu um homem gigantesco. Ele ficou sem reação alguma. Logo depois pediu para sair do emprego."

A maldição do 'Síndico'

O palco do Teatro Municipal de Niterói foi cenário de um momento trágico para a história da música brasileira e até para o teatro. Em 1998 o cantor Tim Maia passou mal quando estava prestes a iniciar o último show de sua vida.

"O Tim ia gravar um DVD no palco do teatro. Ele entrou para começar o show, soltou uma frase da primeira música e colocou a mão no peito. Logo depois saiu sentindo as dores de um infarto e foi direto para o hospital", relembra Luiz Fernando Dias, assessor de comunicação da Fundação de Artes de Niterói naquela época. Desde então a "Maldição Tim Maia" assombra a memória dos funcionários. Soninha, apreensiva, garante que é bom não duvidar.

"Uma outra funcionária que trabalhava também no palco, vivia falando que o Tim aparecia para quem fizesse algo de errado no Teatro. Numa dessas brincadeiras, ela tropeçou e quebrou a perna. Eu falei 'Viu, fica brincando com essas coisas'", relembra.

Funcionários da casa que colecionam histórias curiosas
Sem saber explicar ao certo o que acontece, Luciene Rocha, coordenadora de palco há 15 anos, conta que há uma atmosfera inexplicável de mistério no teatro.

"De vez em quando, quando o teatro ainda está fechado para o público e os faxineiros ficam lá fora descansando, eu subo no palco e fico observando. Depois de ouvir tantas histórias, a gente olha e vai tendo a sensação de que há algo de sobrenatural. O silêncio e o vazio confundem a mente. É curioso e ao mesmo tempo engraçado", comenta Luciene.

Até fora do palco as histórias não têm fim. Há 14 anos como eletricista, Renato Lima garante que barulhos inexplicáveis acontecem de verdade.

"Num dia eu estava aqui pela manhã e ouvi alguns barulhos frequentes nos cabos de aço que ficam lá em cima. Não tinha nada aberto nem nenhum pombo lá dentro. Fui conferir e nada explicava o barulho. Quando retornei, o barulho voltou. Nem voltei para conferir... (risos)."

"Em outra situação, numa exposição de bonecos que acontecia na sala Carlos Couto, uma funcionária viu algumas crianças brincando lá dentro, quando já estava fechada para visitação. Enquanto ela não levou o guarda para verificar quem estava lá dentro, não sossegou. Quando eles chegaram para verificar não tinha nada", conta Renato.

A moça do Solar

Solar do Jambeiro, que também revela 'surpresas'
durante as visitas guiadas.
Perto dali, no bairro de São Domingos, o Solar do Jambeiro também coleciona histórias de arrepiar. Egídio Perpétuo, que foi diretor-administrativo do casarão por sete anos, garante essas visitas constantes do além.

"Em uma das visitas guiadas que eu fazia pelo Solar, comentava sobre a história do casarão com uma senhora até que ela me indagou se morava uma mulher de olhos azuis por ali. Na hora não entendi muito bem a pergunta, mas expliquei que, pelas origens dinamarqueses dos fundadores do local, por ali provavelmente teria vivido alguém de aparência similar. Ela me apontou que tinha avistado essa moça numa das janelas, mas quando fui olhar para o local indicado pela senhora não tinha ninguém", relembra ele.

Causos ou não, essas histórias garantem boas gargalhadas e horas a fio com assombrações. "É tudo muito engraçado. Ninguém sabe o que é verdade ou mentira. Mas, com certeza, fazem a gente se divertir e, pelo menos, respeitar tudo que acontece. É melhor não duvidar", avisa Luiz Fernando.

Por Mateus Almeida para O Fluminense (05/05/2013)

Tags:






Publicado em 01/05/2013

Alice Braga e André Camargo cantam clássicos da MPB no Municipal Quarta-feira, 24 de julho
Beth Zalcman homenageia Helena Blavatsky no Municipal Sexta-feira e sábado, 26 e 27 de julho
Sala Carlos Couto apresenta mostra sobre 'La Belle Époque' De 10 de julho a 30 de agosto
Lenda 'Itapuca' no palco do Teatro Municipal João Caetano Leia mais ...
O Theatro Municipal, que já foi Santa Thereza, completa 140 anos Leia mais ...
Com fotos de Magno Mesquita, Niterói é tema de mostra na Carlos Couto Leia mais ...
Clube Dramático Assis Pacheco estreia no Theatro Municipal Leia mais ...
A Grande Reforma do Theatro Municipal, em 1966 Segunda-feira, 02 de maio de 1966
Theatro Municipal será reinaugurado em janeiro Leia mais ...