Após um período de estagnação, a Companhia de Ballet de Niterói está, aos poucos, retomando o seu lugar de destaque na cultura do município. Com um novo diretor artístico, o grupo fechou o seu calendário de apresentações e prepara dois grandes espetáculos para este ano. A volta também marca uma data importante para a companhia, que completa 21 anos em 2013.

A nova fase do balé representa uma vitória depois de muitos meses de crise. Em 2011, a companhia chegou a ser extinta pelo então prefeito Jorge Roberto Silveira, que declarou, como justificativa para a atitude, que o grupo não cumpria mais uma função social. A decisão foi considerada uma represália aos bailarinos, que, na época, realizavam protestos reivindicando melhores salários. A decisão acabou por ser revogada.

Pedro Pires tem a função de reerguer a Companhia de Ballet (foto de Guilherme Leporace)
Convite para Nova York

No ano passado, o ex-bailarino Pedro Pires assumiu interinamente a direção artística da companhia para realizar três pequenos espetáculos, a pedido da Fundação de Artes de Niterói. Ele conta que, ao ocupar o cargo, os bailarinos estavam cansados devido ao tempo que estavam lutando por melhores condições de trabalho e pela indefinição do que aconteceria com a companhia. Pires afirma que, com a ajuda do atual governo, a companhia está aos poucos se reerguendo e prepara novidades.

— A companhia já teve um convite oficial para dançar em Nova York este ano, no Summer Night’s Festival. Nós temos também todas as temporadas marcadas no Teatro Municipal e no Rio de Janeiro — adianta Pires.

Ele conta que este ano a companhia terá grandes duas produções. Uma delas é o “Corda Friccionada”, espetáculo que mistura a música popular brasileira de Luiz Gonzaga ao classicismo e à tradição da música erudita tocada pelos cellos. O espetáculo será apresentado em maio, no Teatro Municipal de Niterói e em Brasília:

— Nós fizemos um espetáculo curto do Corda Friccionada no ano passado porque era para ser apresentado ao ar livre, junto com uma orquestra. Esse mesmo espetáculo vai se transformar numa apresentação de noite inteira.

Em junho, a companhia começará a ensaiar para o grande espetáculo do ano: o balé 'Romeu e Julieta'. A trágica história de amor também será apresentada no Municipal, em agosto, para comemorar a maioridade da companhia. Na ocasião deverá ser lançado um livro, contando a história do grupo.

— A companhia tem que se colocar como um elemento que faça parte da cultura local e tem que estar pronta para isso. Como é uma companhia oficial, pública, acho que nós temos a função de trazer entretenimento e cultura para o público. Posso dizer com toda certeza que a companhia está disposta a isso — atesta Pires.

Soraya Batista, para O Globo Niterói

Tags:






Publicado em 10/04/2013

Alice Braga e André Camargo cantam clássicos da MPB no Municipal Quarta-feira, 24 de julho
Beth Zalcman homenageia Helena Blavatsky no Municipal Sexta-feira e sábado, 26 e 27 de julho
Sala Carlos Couto apresenta mostra sobre 'La Belle Époque' De 10 de julho a 30 de agosto
Lenda 'Itapuca' no palco do Teatro Municipal João Caetano Leia mais ...
O Theatro Municipal, que já foi Santa Thereza, completa 140 anos Leia mais ...
Com fotos de Magno Mesquita, Niterói é tema de mostra na Carlos Couto Leia mais ...
Clube Dramático Assis Pacheco estreia no Theatro Municipal Leia mais ...
A Grande Reforma do Theatro Municipal, em 1966 Segunda-feira, 02 de maio de 1966
Theatro Municipal será reinaugurado em janeiro Leia mais ...